Pin It

Rev. Bertrand Wilberforce em Um Método Fácil de Oração Mental

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Este ensaio abrangente, reproduzido abaixo na íntegra, foi escrito pelo Rev. Bertrand Wilberforce (1839-1904), um amado padre dominicano inglês. Ele também está disponível em forma de panfleto como um e-book Kindle aqui.

Além de ser um escritor e diretor espiritual, o Rev. Wilberforce era bem conhecido por sua pregação eloqüente, que refletia seu profundo amor por Cristo e Sua igreja. 

O artigo do Rev. Wilberforce cobre, entre outras coisas:

1) A importância da oração mental para um relacionamento mais completo com Deus e um aumento da santidade.

2) Método de oração mental, algo detalhado, derivado do grande Santo e Doutor da igreja Alfonso Liguori.

3) Como lidar com as dificuldades na oração mental sem desanimar.

Embora a discussão sobre a oração mental em si seja bastante detalhada, ele seria o primeiro a lhe dizer para não se sentir intimidado por isso. Não sinta que está fazendo algo errado se não estiver seguindo todas as sugestões dadas aqui na seção “Método de Oração Mental”.

Nunca sinta que precisa desistir da oração mental porque está “fazendo tudo errado”! A única maneira “errada” de fazer oração mental é simplesmente não fazê-la ou desistir rapidamente se sentir que não está “ganhando nada com isso”.

Se você desistir por causa da aridez ou distrações (que todos os santos experimentaram em um momento ou outro), você pode muito bem perder outras oportunidades de experimentar o amor e a sabedoria de Deus de maneiras que você nunca imaginou!

As sugestões a seguir pretendem ser diretrizes para ajudá-lo, afinal, não regras rígidas e rápidas. Esta não é uma receita tirada de um livro de receitas, mas sim um guia para uma conversa amorosa com Deus.

Como este artigo é um tanto longo, destacamos alguns pontos-chave em negrito para ajudá-lo. Veja também nosso artigo sobre Oração Mental para mais dicas e informações.

Esperamos que este artigo o ajude a se aproximar de nosso Senhor em oração! Deus abençoe!

UM MÉTODO FÁCIL DE ORAÇÃO MENTAL

I. O que é oração mental

ORAÇÃO é, diz São Gregório Nazianzen, uma conferência ou conversa com Deus; São João Crisóstomo chama isso de um discurso com a Divina Majestade; segundo Santo Agostinho, é a elevação da alma a Deus. São Francisco de Sales o descreve como uma conversa da alma com Deus, pela qual falamos a Deus e Ele a nós, pela qual aspiramos a Ele e respiramos nele, e Ele em troca nos inspira e sopra em nós. Toda oração, então, é falar da alma a Deus.

Isso pode ser feito de três maneiras; pois a oração pode ser apenas em pensamento, não expressa de qualquer maneira externa, ou, por outro lado, os pensamentos e sentimentos secretos da alma podem ser revestidos de palavras; e essas palavras, novamente, podem ser confinadas a uma forma definida ou podem ser nossas próprias, livres de qualquer forma e expressando as emoções de nossa alma no momento.

No primeiro caso, nossa oração será puramente mental; no segundo em que empregamos uma forma definida de palavras, será a oração vocal; no terceiro caso, onde a oração é principalmente em pensamento, mas esses pensamentos podem irromper em palavras de qualquer maneira que no momento pareça melhor expressar os sentimentos da alma, é uma mistura de oração mental e vocal; mas como as palavras são espontâneas e não em qualquer forma prescrita, pode ser considerada, com justiça, uma oração mental.

Em uma audiência com o Papa, podemos ler um discurso escrito a Sua Santidade, ou podemos confiar nas palavras que podem ocorrer no momento para expressar o que desejamos transmitir a sua mente. Mas se Deus capacitasse o Papa a ler os pensamentos de nossa mente, poderíamos simplesmente ficar em silêncio em sua presença, e ele veria tudo o que desejamos expressar.

O endereço formal seria uma oração vocal, o silêncio diante de seu trono seria uma oração puramente mental, a conversa com palavras não preparadas seria uma mistura das duas e poderia ser chamada de oração mental em um sentido mais geral e extenso.

Deus conhece nossos pensamentos secretos com mais clareza do que podemos expressá-los, com mais certeza do que podemos conhecê-los; e as palavras, portanto, não são necessárias em nossa relação com Ele, embora muitas vezes uma ajuda considerável para nós.

Um conjunto de palavras faladas ou lidas não pode ser chamado de oração, a menos que a mente a pretenda como oração e dê algum tipo de atenção espiritual, seja para o sentido real das próprias palavras ou para o próprio Deus enquanto estão sendo pronunciadas.

Shakespeare falou como teólogo quando, em Hamlet, colocou na boca do Rei, que pediu perdão sem arrependimento:

Minhas palavras sobem, meus pensamentos permanecem abaixo Palavras sem pensamentos nunca vão para o céu.

Deus condenou a homenagem meramente material dos judeus ao declarar: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim”.

Toda oração, portanto, de qualquer tipo, deve ser “em espírito e em verdade” (São João 4:23); mas a oração vocal está confinada a uma forma prescrita de palavras, enquanto a oração mental é a expressão espontânea da alma, com ou sem palavras.

Quando São Francisco dizia um Pai-Nosso, ou recitava seu ofício, ele usava a oração vocal; quando ele se ajoelhou diante de Deus sem uma palavra, sua oração era puramente mental; quando ele passou a noite inteira dizendo “Meu Deus e meu tudo”, sua oração mental foi misturada com palavras que expressavam o amor ardente de sua alma seráfica.

II. A importância e necessidade da oração mental

A oração de um tipo ou de outro é absoluta e indispensavelmente necessária para a salvação – em outras palavras, ninguém que veio ao uso da razão, para ser capaz de orar, pode, de acordo com a providência ordinária de Deus, ser salvo sem ela.

Esta necessidade é provada em primeiro lugar pelo comando distinto, enfático e constantemente repetido de orar e orar continuamente. Por exemplo: “Ele falou-lhes uma parábola (para mostrar) que devemos orar sempre e não desfalecer” (São Lucas 18: 1); “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação” (São Mateus 26:41); “Pedi e ser-vos-á dado” (S. Matt. 7: 7); “Seja instantâneo (isto é fervoroso) na oração” (Coloss. 4: 2); “Ore sem cessar” (1 Tes. 5:17).

Além desses comandos positivos, é evidentemente necessário; porque embora Deus realmente deseje a salvação de todos (I Tim. 2, 4), Ele não nos salvará sem nossa própria cooperação. Ele não salvará ninguém pela força: pois o céu não é a terra dos escravos, para a qual os homens são impelidos pela compulsão; é a casa dos filhos de Deus livres, daqueles que amam a Deus, daqueles que são livres com a liberdade com a qual Cristo nos libertou.

Portanto, Deus dá a todos a graça de orar; e se eles usarem essa graça e continuarem a orar corretamente, Ele continuará a conceder a eles uma cadeia de graças que terminará em salvação. Mas para aqueles que não oram, Ele nada prometeu: “Perto está o Senhor de todos os que O invocam; a todos os que o invocam em verdade ”(Salmo 145: 18); “Aproxime-se de Deus, e Ele se aproximará de você” (São Tiago 4, 8).

Dessa necessidade absoluta e indispensável da oração em geral, podemos facilmente inferir a importância e a necessidade moral do melhor e mais elevado tipo de oração – a saber, a oração mental. Se não for absolutamente, certamente é moralmente necessário de uma forma ou de outra, mesmo para a salvação; e não pode haver dúvida de que é estritamente necessário para qualquer avanço real da alma na virtude e no amor divino.

Santo Afonso diz: “Aquele que negligencia a meditação (uma parte da oração mental) e se distrai com os assuntos do mundo, não conhecerá suas necessidades espirituais, os perigos a que está exposta sua salvação, os meios que deve tomar para vencer tentações; e se esquecerá da necessidade da oração de súplica para todos os homens: assim, ele não pedirá o que é necessário e, por não pedir a graça de Deus, certamente perderá sua alma ”.

Do mesmo modo, Santa Teresa pergunta: “Como pode durar a caridade, se Deus não der perseverança? Como o Senhor nos dará perseverança se deixarmos de pedir a Ele?

E como devemos pedir isso sem oração mental? Sem oração mental não há comunicação com Deus que é necessária para a preservação da virtude. ” Os santos Doutores concordam que aqueles que perseveram na oração mental viverão na graça de Deus.

As seguintes palavras são a sentença deliberada do santo Doutor Santo Afonso [Liguori], conclusão tirada do seu vasto saber e experiência: “Muitos rezam o Rosário, o Ofício de Nossa Senhora e outros atos de devoção, mas continuam em pecado. Mas é impossível para aquele que persevera na oração mental continuar no pecado: ele desistirá da oração mental ou renunciará ao pecado.

A oração mental e o pecado não podem coexistir. E isso vemos por experiência; aqueles que fazem oração mental raramente caem em pecado mortal; e caso tenham a miséria de cair no pecado, perseverando na oração mental, eles vêem sua miséria e voltam para Deus. Que uma alma, diz Santa Teresa, seja sempre tão negligente; se ela perseverar na oração mental, o Senhor a levará de volta ao porto da salvação ”.

Se esta fosse apenas a opinião do próprio Santo Afonso, seria de um peso imenso, considerando sua resplandecente santidade, seu vasto aprendizado espiritual e a variada experiência de sua longa e ativa vida; mas, além disso, o santo Doutor está aqui apenas resumindo em uma frase o ensino e a experiência de todos os doutores, santos, escritores, pregadores e confessores de toda a Igreja desde o início. Que argumento mais forte poderia ser usado para provar a importância e a necessidade da oração mental?

III. A oração mental é fácil?

Qualquer pessoa que tenha um desejo real de ser salvo e que acredita que a opinião de Santo Afonso e de todos os outros mestres espirituais – que o pecado mortal e a oração mental não podem viver juntos, mas são mutuamente destrutivos – é realmente verdadeira, mas deve sentir um desejo adotar um meio tão certo de salvação.

Muitos, porém, têm o coração fraco e temem a pequena dificuldade que sentem para começar um novo exercício; e muitos mais carecem da cunhagem e da abnegação necessárias para continuar nele depois que a novidade se desgasta e o jugo da perseverança começa a se desgastar. Bem-aventurados os que perseveram com coragem, porque sua salvação é segura.

Aqueles que acham difícil começar, ou são tentados a abandonar este poderoso meio de salvação, devem criar ânimo e encorajar-se, lembrando que a oração mental não requer aprendizado, nenhum poder especial da mente, nenhuma graça extraordinária, mas apenas uma determinação resoluta vontade e um desejo de agradar a Deus.

Na verdade, o difícil é convencer as pessoas de como a oração mental é fácil e simples, e que a dificuldade é muito mais imaginária do que real.

Essa dificuldade muitas vezes surge por não termos compreendido a verdadeira idéia do que se entende por oração mental; e a falsa ideia do exercício, uma vez formada, muitas vezes nunca é corrigida, a consequência sendo que a prática ou é abandonada com repulsa, ou perseverada com extrema repugnância e poucos frutos.

Uma causa comum de mal-entendido, talvez a mais comum de todas, é o costume de chamar todo o exercício pelo nome de um subordinado e não pela parte mais importante – isto é, meditação. Disto surge a ideia de que é um estudo espiritual prolongado, demorado com muitas divisões e processos muito complicados; e essa noção assusta muitas almas boas, e as faz recorrer apenas à oração vocal.

Eles imaginam que a alma deve pregar um discurso para si mesma e não sentem nenhum talento para pregar. Muitos, se falassem o que pensavam claramente, diriam: “Não posso meditar, mas se pudesse orar durante esse tempo, poderia me sair muito bem”.

Este não é um caso imaginário, como qualquer um que teve alguma experiência pode testemunhar; e esse infeliz mal-entendido, que tantas vezes retém as almas durante anos, é em parte causado por ensino defeituoso, mas em parte também pelo nome de meditação sendo usado em vez do nome mais abrangente de oração mental.

A oração mental devidamente entendida, será considerada fácil e ao alcance de todos os que desejam a salvação. É claro que há muitos graus de oração, e orar perfeitamente é sem dúvida uma questão de grande dificuldade; mas orar bem, e de uma forma muito agradável a Deus e muito proveitosa para a alma, é um assunto fácil e simples.

Se nos lembrarmos de quantos milhares se destacaram na oração mental, embora nem mesmo sejam capazes de ler, veremos que este exercício sagrado não pode exigir nenhum poder mental especial ou qualquer grau de cultura. Santo Isidoro, um trabalhador rural, é um exemplo de homem totalmente destituído de erudição humana, mas elevando-se, pela graça de Deus, à oração mais sublime.

O seguinte método de fazer oração mental é extraído das obras de Santo Afonso, que pode ser justamente chamado de Doutor da Oração; e é tão simples que ninguém que o estude com atenção pode deixar de compreendê-lo, e todos os que o reduzem à prática descobrirão que em grande parte ele tira a dificuldade que possam sentir no exercício.

Muitos que descobriram que “fazer uma meditação” é uma penitência cansativa, perceberam que, com este método, o tempo é muito curto; e essa conversa com Deus é de fato a maior alegria da vida; “Prove e veja como o Senhor é doce.”

IV. Método de Oração Mental

Todos os métodos de oração mental são essencialmente os mesmos. São maneiras diferentes de atingir o mesmo fim, sendo o objetivo de todos ensinar à alma como ela pode conversar amorosamente com Deus. No método recomendado por Santo Afonso, todo o exercício é dividido em três partes – a Preparação, o Corpo da Oração e a Conclusão.

1. Preparação

A verdadeira preparação para a oração é uma vida boa, um espírito de recolhimento que capacita um homem a viver na presença de Deus e o hábito inestimável da leitura espiritual regular. Mas este não é o lugar para entrarmos nesses assuntos e, portanto, devemos proceder à preparação imediata, quando chegar a hora da oração. “Antes da oração, prepara a tua alma, e não seja como homem que tenta a Deus”. . . (Sirach 18:23).

A partir dessa admoestação do Espírito Santo, é evidente que não devemos ousar nos lançar diante de Deus despreparados, com nossas mentes cheias de pensamentos ociosos e perturbadores, e imaginar que podemos orar de uma forma que agrade a Ele. Quão cuidadosos devemos ser ao preparar o corpo e a mente se formos admitidos a uma audiência papal ou real!

Pelo menos, faça como preparação para sua conferência com Deus, três atos curtos, mas fervorosos:

1. Um ato de fé na presença de Deus e de adoração, profunda e humilde, de Sua majestade.

2. Um ato de contrição pelo pecado, o pecado formando a nuvem densa e escura sobre nossas cabeças que esconde o brilho do rosto de Deus. “Os teus pecados esconderam de ti o rosto dele” (Isaías 59: 2).

3.  Um fervoroso pedido de luz para ver a santa vontade de Deus,  especialmente em algum assunto que nos pressione então ou sugerido pelo assunto que vamos considerar, e por graça para fazer a vontade de Deus quando a virmos.

Os exemplos desses atos podem ajudar os iniciantes, mas deve ficar claro que são apenas exemplos e que podem ser feitos em qualquer forma.

1. Adoração a Deus presente em sua alma. Meu Deus, creio que Tu estás presente comigo e dentro de mim, e te adoro com todo o carinho da minha alma. “Esteja atento”, diz Santo Afonso, “para fazer este ato com uma fé viva, pois a lembrança da presença de Deus é uma grande ajuda para afastar as distrações. O cardeal Carraceiolo, bispo de Aversa, costumava dizer que as distrações são um sinal de que a alma não fez um ato de fé viva ”.

2. Tristeza pelo pecado, nossos pecados impedindo a união com Deus em oração. Ó Senhor, pelos meus pecados eu mereço agora estar no inferno; Eu me arrependo, ó infinita Bondade, com todo o meu coração por ter Te ofendido. Sinto muito pelo pecado do fundo do meu coração; tenha misericórdia de mim.

3. Peça luz. Ó Pai Eterno, pelo amor de Jesus e de Maria, dá-me luz nesta oração, para que dela aproveite. Em seguida, adicione uma Ave Maria, uma ejaculação [oração curta] a São José, seu anjo da guarda e seus santos patronos.

Esses atos devem ser curtos. Em uma oração mental de meia hora, não mais do que três minutos devem ser dedicados a eles. Mas, ao mesmo tempo, devem ser fervorosos e fervorosos, devendo toda a atenção ser dada a eles; pois da maneira pela qual são feitos dependerá, em grande medida, o fervor de toda a oração.

2. Corpo da Oração

Para orar com frutos e sem distração, é muito útil, e na maioria dos casos necessário, passar algum tempo em meditação, ou pensamento piedoso, sobre algum assunto definido; e a partir desse fato, como afirmado antes, todo o exercício é freqüentemente chamado de meditação, em vez de oração mental.

Isso muitas vezes leva as pessoas a imaginarem que a meditação – isto é, o uso do intelecto para pensar sobre um assunto sagrado – é o objetivo principal a ser almejado, quando na verdade é a oração ou a conversa com Deus. A meditação nos fornece o assunto para a conversa, mas não é oração em si mesma.

Ao pensar e refletir, a alma fala consigo mesma, raciocina consigo mesma; na oração, fala a Deus.

Meditação, em seu sentido amplo, é qualquer tipo de pensamento atento e repetido sobre qualquer assunto e com qualquer intenção; mas no sentido mais restrito em que é entendida como parte da oração mental, é, como São Francisco de Sales coloca, “um pensamento atento, voluntariamente repetido ou entretido na mente, para excitar a vontade de santidade e reflexões e resoluções salutares.

Em seu objeto difere do mero estudo: estudamos para melhorar nossas mentes e armazenar informações; meditamos para mover a vontade de orar e abraçar o bem. Estudamos para sabermos, meditamos para orar. “

Devemos então usar a mente para assim pensar ou ponderar sobre um assunto sagrado por alguns minutos; e para ajudar a mente neste exercício, devemos ter algum assunto definido de pensamento, sobre o qual é bom ler um texto da Sagrada Escritura ou algumas linhas de algum outro livro sagrado – St. Teresa conta-nos que assim se ajudou com um livro durante dezassete anos.

Por meio dessa breve leitura, a mente fica atenta e é colocada em uma linha de pensamento. Além disso, para ajudar a mente, você pode fazer a si mesmo algumas perguntas como as seguintes: O que isso significa? Que lição isso me ensina? O que eu fiz sobre isso no passado? O que devo fazer agora e como?

Duas observações são aqui mais importantes. A primeira é que deve-se tomar cuidado para não ler muito, mas para parar quando algum pensamento vier à mente. Se a leitura for prolongada – se, por exemplo, em uma breve oração de meia hora você lesse por dez minutos – o exercício seria transformado em leitura espiritual.

A segunda observação é que você não deve ficar angustiado se achar a mente entorpecida e se apenas um ou dois pensamentos muito simples se apresentarem. Não é necessário ter muitos pensamentos, nem se entregar a reflexões profundas e bem organizadas. O objetivo da oração mental não é pregar um sermão bem preparado e eloqüente para si mesmo – o objetivo é orar.

Se um simples pensamento o faz orar, por que se angustiar por não ter outros pensamentos mais elaborados? Se você quisesse chegar ao topo de um telhado, não se incomodaria porque sua escada era curta, contanto que fosse longa o suficiente para pousar com segurança no telhado. O fim está ganho.

Se uma simples reflexão o capacitasse a rezar, estaria, na realidade, apenas se distraindo da oração, a fim de se ocupar com seus próprios pensamentos, se continuasse desenvolvendo uma longa sequência de pensamentos.

Isso seria confundir os meios com o fim, e é um erro muito comum e causa de grande desânimo. Esse erro ficará evidente se você lembrar que, enquanto segue uma linha de pensamento – por exemplo, quando responde às perguntas sugeridas acima – você está conversando consigo mesmo.

É claro, portanto, que como seu objetivo é conversar com Deus, você não deve permanecer muito tempo falando consigo mesmo e, portanto, se sentir dificuldade em fazer isso, não precisa ficar angustiado. “O progresso de uma alma”, diz a iluminada Santa Teresa, “não consiste em pensar muito em Deus, mas em amá- lo ardentemente; e esse amor é obtido pela resolução de fazer muito por Ele. ”

Eu disse que entender mal este ponto é a fonte mais fecunda de desânimo e uma das razões mais comuns para abandonar a oração mental com repulsa; e a razão é porque muito poucas pessoas estão acostumadas a pensamentos prolongados ou profundos sobre qualquer assunto – poucos realmente são capazes disso.

Se, portanto, eles imaginam que um pensamento prolongado, se não profundo, é necessário para a oração mental, eles estão em constante dificuldade e desânimo, o que termina em abandonarem todo o exercício em desespero. “Se eu pudesse apenas orar”, eles suspiram para si mesmos, “quão mais fácil seria!”

Que tais pessoas entendam claramente que muitos pensamentos não são necessários, que suas reflexões não precisam ser profundas e não devem ser longas, especialmente em uma oração de meia hora, para que a oração não seja negligenciada e o exercício seja transformado em um estudo.

“A meditação”, diz Santo Afonso, “é a agulha que só passa para que possa puxar o fio de ouro, que é composto de afetos, petições e resoluções”. A agulha só é usada para puxar a linha depois dela. Se então você meditasse por uma hora e pensasse em um assunto em todos os seus detalhes, mas sem atos e petições constantes, você estaria trabalhando duro com uma agulha sem fio.

A mente dos homens difere tanto quanto suas feições, e alguns homens, especialmente aqueles empregados em deveres muito perturbadores, precisam de mais reflexão do que outros antes de poderem orar; mas muitos, especialmente mulheres, descobrirão que o esforço, após prolongadas reflexões, geralmente se derrota e termina em distração.

Assim, portanto, você sentir o impulso de orar, ceda a ela imediatamente da melhor maneira que puder por meio de atos e petições – em outras palavras, comece sua conversa com Deus sobre o assunto sobre o qual você está pensando. Não imagine, além disso, que é necessário esperar que um grande fogo arme em sua alma, mas acalente a pequena centelha que você tem.

Acima de tudo, nunca ceda à noção equivocada de que você deve refrear-se de orar para repassar todos os pensamentos sugeridos por seu livro, ou porque sua oração não parece ter uma conexão próxima com o assunto de sua meditação. Isso seria simplesmente voltar-se de Deus para seus próprios pensamentos ou para os de outro homem.

Uma sugestão útil pode ser apresentada aqui. Aqueles que estão acostumados a fazer leituras espirituais regulares freqüentemente encontrarão alguma idéia, ou passagem de seu autor, que atinge sua mente com força, ou parece especialmente adequada para sua própria prática.

Quando este for o caso, eles não poderiam fazer melhor do que tomar essa ideia, ou aquela passagem, como o assunto de sua próxima oração mental. Visto que leram e pensaram sobre isso no tempo da leitura espiritual, uma reflexão muito ligeira será suficiente para capacitá-los a orar sobre esse assunto com frutos sólidos e a tomar decisões práticas a respeito.

Falamos até agora sobre a agulha: agora devemos passar a considerar o fio de ouro que é o assunto de principal importância e deve ocupar a maior parte do tempo dedicado à oração.

O fio de ouro é composto de Afetos ou Atos, Petições e Resoluções, uma corda tripla de beleza e força, que, quando a alma usa seriamente, pode-se dizer que ela “cingiu seus lombos com força e fortaleceu seu braço”. (Prov. 31:17).

1. ATOS DE AFEIÇÃO

Atos, ou afeições da vontade, são os movimentos da alma em direção a Deus. As afeições são chamadas de pés da alma, porque por meio delas ela se aproxima ou se afasta de Deus. “Achegar-se a Deus” não significa nenhum movimento corporal, mas a progressão espiritual do amor.

Quando, portanto, ao meditar sobre um assunto, você sentir algum sentimento sagrado surgindo em seu coração, comece a fazer atos simples, com ou sem palavras, para Deus.

Atos dessa natureza são muito diversos, como fé, esperança, confiança, humildade, agradecimento, contrição, amor. Eles devem ser simples, curtos e frequentemente repetidos. Pense na oração do nosso Senhor no jardim, que se destina a ser um modelo para nós.

Ele orou por três horas, e toda a sua oração consistia na repetição constante de um único ato de resignação e petição. A palavra “Atos” irá sugerir as aspirações principais, que é bom repetir constantemente: A significa Adoração; C para contrição; T de Ação de Graças, ao qual se junta o amor; e S para súplica, a oração de petição.

Esses atos devem ser espontâneos, surgindo de sua própria alma, mas alguns exemplos podem ajudar os iniciantes. Se então você tivesse como tema de sua oração a morte de nosso Senhor Jesus Cristo na Cruz, você, após os atos preparatórios, começaria a pensar no mistério. “Quem é aquele pendurado na cruz? “—Você diria a si mesmo—” O que Ele está sofrendo — no corpo — na alma? Por que Ele sofre? ”

Não seriam necessários muitos minutos de pensamento antes que você se sentisse movido a atos de fé: “Ó meu Senhor, pendurado na Cruz, eu creio em Ti. Tu és o Deus Eterno, feito homem por mim. Tu és meu Redentor; pelos meus pecados Tu estás sangrando e morrendo na Cruz ”, & c.

Humildade: “Ó meu Jesus, não sou digno de viver. Eu te matei, o Filho de Deus. Quem sou eu, querido Senhor, para que Tu, o Deus eterno, assim sofreste e morreste por mim!

Eu sou Tua criatura, feita por Tuas Mãos. Eu sou Teu filho rebelde. Eu mereço o inferno pelos meus pecados, eu mereço ter sido abandonado por Ti, e ainda assim Tu pensaste em mim e te ofereceste como uma vítima por mim. Quão bom és, querido Senhor, ser pregado na Cruz por um pecador tão miserável e ingrato! Eu não vou pecar novamente ”, & c.

Confiança: “Se eu olhar para mim mesmo, caro Banha, fico cheio de medo. Eu pequei, ó Senhor, contra Ti, meus pecados são mais numerosos do que os cabelos da minha cabeça.

Como me atreveria a esperar o perdão, depois de ter te ofendido tantas vezes e tão vilmente! Mas Tua morte é minha esperança. Tu me fizeste.

Eu sou Teu, e Tu sofreste por mim e morreste por mim. Espero em Ti, em Ti ponho a minha confiança e não serei confundido para sempre. Não podes rejeitar-me agora que me arrependo, quando tens derramado o Teu sangue por mim, etc.

Ação de Graças: “Agradeço-Te, Senhor, de todo o coração por Tua grande bondade em morrer por mim e derramar todo Teu Sangue por mim. Bendito seja o Teu santo Nome!

Agradeço a Ti por não me abandonar quando cometi aquele pecado, por me amar apesar de todos os meus muitos pecados contra Ti. Bendito seja Jesus, que derramou Seu precioso Sangue por mim. Santíssima Maria, ajude-me a agradecer a teu Filho por tudo o que Ele fez por mim ”, etc.

Contrição: “Lamento profundamente todos os meus pecados. Eu detesto todos eles, e especialmente porque eles te desagradaram, porque te pregaram na cruz. Senhor, tem misericórdia de mim, um pecador! Pai, perdoe-me, porque eu não sabia o que fazia ”, & c.

Amor: “Eu te amo, meu Jesus, eu te amo, mas não te amo como deveria; faça-me amar a Ti cada vez mais. Eu te amo com todo o meu coração. Desejo ver-te amado por todos.

Eu farei apenas o que Tu desejas. Tu morreste por amor a mim, desejo morrer por amor a ti; Regozijo-me porque és eternamente feliz. Faça comigo e tudo o que é meu de acordo com a Tua vontade, ”“ Este último ato de amor e oblação de si mesmo ”, diz Santo Afonso,“ é especialmente agradável a Deus, e Santa Teresa costumava se oferecer a Deus em pelo menos cinquenta vezes durante o dia. ”

Os atos de amor devem ser frequentes, seja qual for o assunto da meditação. “O ato de amor”, continua o mesmo Santo, “como também o ato de contrição (que é a dor fundada no amor) é a corrente de ouro que liga a alma a Deus”. Um ato de perfeita caridade é suficiente para a remissão de todos os nossos pecados. “A caridade cobre uma multidão de pecados” – (I Pedro 4: 8).

O Ven. Irmã Maria do Crucificado uma vez viu, em uma visão, um globo de fogo, em cujas chamas as palhas foram instantaneamente queimadas. Ela foi então levada a entender que quando a alma faz atos de amor a Deus, todos os seus pecados são consumidos nas chamas da caridade e são perdoados.

Além disso, o médico angélico, São Tomás, ensina que, por cada ato de amor, ganhamos um novo grau de glória. “Todo ato de caridade merece a vida eterna.” Quantos podemos fazer no decorrer do dia, se tivermos um pouco de fervor, especialmente durante o tempo de oração mental!

São Francisco de Sales tem as seguintes palavras consoladoras e instrutivas a respeito dos atos de tristeza fundados no amor, ou, como ele os denomina, atos de arrependimento amoroso. “Porque esse arrependimento amoroso é normalmente praticado por elevações e elevações do coração a Deus, como as dos antigos penitentes:

Eu sou Teu, salva-me! Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia de mim; pois minha alma confia em Ti! Salve-me, ó Deus; pois as águas chegaram até a minha alma / Faça-me como um dos Teus servos contratados! Ó Deus, tenha misericórdia de mim, um pecador.

Não é sem razão que alguns disseram que a oração justifica; pois a oração arrependida ou o arrependimento suplicante elevando a alma a Deus e reunindo-a à Sua bondade, sem dúvida obtém o perdão, em virtude do amor santo que lhe dá o movimento sagrado.

E, portanto, todos devemos ter muitas dessas orações ejaculatórias, feitas no sentido de um arrependimento amoroso e de suspiros que buscam nossa reconciliação com Deus; para que, ao colocar nossa tribulação diante de nosso Salvador, possamos derramar nossas almas diante de Seu coração misericordioso, que os receberá em misericórdia ”

Como já declarado, esses atos ou afeições devem brotar do coração; não devemos procurar palavras bonitas nem inventar frases bonitas; o mero movimento da vontade em direção a Deus, com amor, gratidão, esperança, tristeza pelo pecado, etc., é suficiente, mesmo sem palavras .

Portanto, nosso Senhor diz: “Não fale muito quando orar” – um simples movimento do coração é melhor do que muitas palavras que saem apenas dos lábios.

Nem devemos nos apressar de uma afeição para outra. Se você se sente motivado a fazer atos de amor, continue fazendo atos de amor; se você está entusiasmado com a tristeza, repita atos de tristeza por um tempo, até que as afeições esfriem; em seguida, passe para outro.

Além disso, essas afeições devem ser feitas lentamente, permitindo que a alma se demore em cada ato. É bom fazer pequenas pausas entre eles. Deus muitas vezes fala conosco durante essas pausas e quando o faz – quando percebemos algum bom pensamento em nossa mente, dando-nos uma nova luz, uma visão mais clara de nós mesmos ou um melhor conhecimento de Deus, ou nos mostrando nosso dever ou a vontade de Deus para nós, então devemos ouvir humildemente enquanto Deus fala, preparados para obedecer aos Seus mandamentos.

2. PETIÇÕES

Além dos atos e afetos da alma – todos os quais são verdadeiramente oração, uma vez que a alma, ao fazê-los, conversa com Deus – é extremamente útil nos ocuparmos durante as orações mentais em fazer muitas petições fervorosas a Deus por Suas graças espirituais e Favor.

Esta oração de petição é um assunto que Santo Afonso, em todas as suas obras ascéticas, está continuamente exortando a cada alma na linguagem mais enfática.

Na verdade, o próprio nosso Senhor nos deu a primeira lição quanto à necessidade de petições constantes, não apenas por Seu comando “Pedi e vos será dado”, mas pelo fato de que o Pai Nosso, o modelo de todas as orações, consiste metade de afetos e metade de petições para o que precisamos.

Em inglês, não temos nenhuma palavra que expresse esse tipo de oração, e somos obrigados a chamá-la de oração de petição. A palavra francesa la priere expressa isso, enquanto l’oraison significa oração mental com seus atos, afeições e resoluções.

Esta distinção explica muitas passagens nas obras de Santo Afonso – por exemplo, onde ele diz: “Sem oração (isto é, petições de graças) todas as meditações que fazemos, todas as nossas resoluções, todas as nossas promessas serão inúteis”.

Se não orarmos (isto é, se não fizermos petições de graças), seremos sempre infiéis às inspirações de Deus e às promessas que Lhe fazemos. Porque para realmente fazer o bem, vencer as tentações, praticar virtudes e observar a lei de Deus, não é suficiente receber luz de Deus e meditar e tomar decisões, mas precisamos, além disso, da ajuda real de Deus, e Ele não dá essa assistência, exceto para aqueles que oram e oram com perseverança.

Aqui está a distinção entre meditação com resoluções, ou oração mental em geral, e oração de petição, ou entre l’oraison e la priere.

Sem essa distinção, que não é aparente à primeira vista nas traduções para o inglês, muito do que se diz sobre a oração é confuso e ininteligível. Por exemplo, no trecho acima, o Santo parece dizer que a oração mental sem oração é inútil.

Novamente em sua “Regra de vida para um cristão”, naquele volume mais valioso chamado “As virtudes cristãs”, a segunda regra é sobre a oração mental, enquanto a sexta é sobre a oração.

Quando entendemos que oração significa oração de petição, a dificuldade desaparece. Em suas constantes exortações à prática da oração de petição, o santo Doutor gosta de citar a experiência daquele erudito e esclarecido escritor F. Paul Segneri, SJ, que assim fala de si mesmo: “Quando comecei e antes de estudar teologia, costumava empregar meu tempo de oração mental em reflexões e afetos; mas Deus abriu meus olhos depois, e desde então me esforcei para ocupar-me em petições, e se há algum bem em mim, considero que seja devido a este hábito de me recomendar a Deus. ”

As petições, portanto, para tudo que você precisa, são uma parte muito importante da oração mental e são muito úteis para a alma. Mas é necessário cautela aqui para evitar mal-entendidos. As petições no momento da oração mental devem ser petições espirituais – isto é, para objetos espirituais, como perdão de pecados, amor a Deus, luz para ver e graça para fazer a vontade de Deus.

Pois, se as petições fossem por favores temporais, como saúde física para você ou para outros, sucesso nos negócios, chuva ou bom tempo e coisas semelhantes, dois inconvenientes se seguiriam.

Em primeiro lugar, é sempre duvidoso se tais coisas estão de acordo com a vontade de Deus ou não, e elas devem ser pedidas apenas se deveriam ser a Vontade Divina, e todo o valor espiritual da petição estará então naquele ato. de renúncia.

Em segundo lugar, a mente seria muito distraída de Deus para pensar nos assuntos sobre os quais formular petições, e especialmente se o assunto da petição fosse alguma pessoa em cujo bem-estar temporal você está muito interessado, ou algum negócio mundano que dá sua ansiedade – orar por essas coisas provavelmente resultaria em distração. A mente começaria a refletir sobre as próprias coisas e se esqueceria de Deus.

Com isso não significa que essas questões temporais nunca devam ser objeto de oração, mas apenas que geralmente não é aconselhável ocupar a mente com elas durante a oração mental , pelas razões apresentadas.

A verdade é que todas essas coisas são sugestões da experiência; pois na questão da oração mental, na qual “o Espírito sopra onde quer”, há muito poucos “deveres”, poucas coisas das quais você pode dizer que isso deve ser feito.

Com este entendimento quanto ao assunto das petições, a alma não pode estar mais ocupada durante a oração mental do que em fazer petições freqüentes e fervorosas, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, por todas as graças que ela sente necessitar.

Peça, então, ajuda no tempo da tentação, implore graça para sempre perseverar na oração quando for tentado, mas particularmente lembre-se sempre de orar pelas três graças seguintes, que, se você obtiver, tornarão sua salvação segura. Essas três graças importantíssimas são: (a) O perdão perfeito dos pecados passados; b) O amor perfeito de Deus; (c) A graça de uma morte sagrada.

Cristo nosso Senhor, a própria Verdade, prometeu distinta e enfaticamente: “Pedi, e ser-vos-á dado; Procura e encontrarás; batei e ser-vos-á aberto. (São Mateus 7: 7). “Todas as coisas que pedirdes em oração, crendo, recebereis.” (São Mateus 21: 22).

Peça então por essas três graças, que, por sua própria natureza, devem estar de acordo com a vontade de Deus que você deve ter; peça-os com humildade, confiança e perseverança, e eles devem ser dados a você . A promessa de Deus não pode falhar.

Peça o perdão perfeito de todos os seus pecados e, por muitos e graves que tenham sido, o perdão será seu. Busque o amor de Deus por meio de muitas petições fervorosas e você o encontrará. Bata no portão do céu por constante petição por uma morte sagrada, e o portão dourado dessa cidade de amor e paz se abrirá para você, enquanto seus olhos se fecham na morte e sua alma parte para a eternidade.

“Reze”, exclama Santo Afonso, “ore e nunca desista de orar. Se você orar, certamente será salvo; se você não orar, certamente estará perdido. ” Temos tantos desejos espirituais, que meia hora de oração será muito curta para fazermos nossas sérias petições diante do trono de misericórdia.

3. DELIBERAÇÕES

A fim de tornar a oração mental verdadeiramente frutífera, você deve ter o cuidado de fazer alguma resolução definida e precisa, seja para evitar alguma falta ou para praticar alguma virtude. O mero pensamento, é evidente, não pode nos tornar santos.

Atos e afeições por si só não nos farão praticar a virtude. Mesmo as petições por si só não são suficientes. Eles obtêm para nós, é verdade, a força para vencer o pecado e para fazer o que é bom; mas a questão mais difícil permanece – isto é, usar essa graça e realmente fazer o que reconhecemos ser a vontade de Deus.

Devemos, então, tomar a resolução de colocar em prática o que consideramos bom. Com que freqüência, por falta desta resolução inabalável, os homens oram por uma graça, mas em suas ações negam e contradizem suas orações. 

A resolução deve ser repetida freqüentemente, dia após dia, até que possamos facilmente nos manter fiéis a ela. Além disso, deve ser definitivo, ou seja, não muito geral e vago.

A determinação, por exemplo, de ser melhor do que temos sido até agora, de ser humilde, de amar a Deus, não tem qualquer vantagem prática.

Não significa nada, começará e terminará por si mesmo e não produzirá nenhum efeito em nossa vida diária; devemos, portanto, resolver evitar alguma falha particular em que provavelmente cairemos naquele dia, ou praticar algum ato de virtude naquele mesmo dia.

Além disso, a resolução deve ser de natureza prática – isto é, deve ser algo que possamos fazer se quisermos; e, acima de tudo, deve ser sincero, o que significa que devemos realmente ter a intenção de levá-lo à prática quando surgir a oportunidade.

Pode ser perfeitamente sincero na hora, mesmo que sejamos fracos o suficiente depois para cair em sua prática, mas não há desculpa se formos falsos na hora de fazê-lo. Isso certamente seria um insulto a Deus, que vê o coração. Nunca devemos esquecer as palavras de Santa Teresa, já citadas:

“O progresso de uma alma não consiste em pensar muito em Deus, mas em amá-lo com ardor, e esse amor se adquire quando se decide fazer muito por ela.” Faça então uma resolução prática e definitiva que você pode manter e pretende manter naquele mesmo dia.

3. Conclusão

Antes de se levantar de joelhos, três atos curtos, mas fervorosos, devem ser feitos, como o golpe final de sua oração mental:

1. Um ato de agradecimento pelas luzes e graças que Deus lhe concedeu durante a sua oração. Por exemplo: “Agradeço-te, ó meu Deus, em nome de Jesus Cristo, por toda a ajuda que me deste. Bendito seja o Teu santo nome. Glória ao Pai, ”& c.

2. Renove sinceramente a boa resolução que você já fez.

3. Peça graça para mantê-lo. Você pode dirigir esta petição ou ao Pai Eterno, implorando-Lhe, pelos méritos de Jesus e a intercessão de Maria, para conceder-lhe este favor; ou, você pode se dirigir ao próprio nosso Senhor, ou pode implorar as orações de Nossa Senhora ou de seus patronos. Por fim, faça uma ejaculação pela conversão dos pecadores e pelas almas do purgatório.

V. Observações Finais

Algumas observações finais podem ser úteis, a fim de eliminar as dificuldades que muitas vezes surgem e desencorajar as almas que se sentem atraídas a se entregar ao santo e delicioso exercício da oração.

1. “A oração mental não é um assunto muito complicado? Parece que há tanto para lembrar, tantas coisas para fazer. ” Quando o método de oração é traçado passo a passo no papel, isso é bem verdade. Parece um assunto complicado, e o mesmo aconteceria com tudo o mais se fosse assim minuciosamente descrito.

Tente anotar no papel tudo o que devemos lembrar para comer e beber de maneira educada, e veja como tudo parece formal e complicado; mas faça-o e imediatamente parecerá fácil e natural. É o mesmo com a oração mental. Pratique por um curto período de tempo e todas as suas dificuldades desaparecerão.

2. “ Todas essas coisas devem ser feitas na ordem exata prescrita? “A preparação virá sempre primeiro, com os três atos curtos e fervorosos, e a conclusão sempre estará naturalmente no final; mas no corpo da oração nenhuma ordem formal deve ser observada. Essa parte deve, de fato, sempre começar com uma breve meditação, alguns pensamentos simples e sinceros, mas os Atos e Petições devem vir do coração de qualquer maneira que surjam.

Ao descrevê-los, devemos adotar alguma ordem para que o assunto seja inteligível; mas, na prática, eles podem ser todos misturados de qualquer maneira em que brotem da alma. Lembre-se de que o fim e o objetivo de todo o exercício é conversar com Deus; se você está fazendo isso, você está indo bem.

Eu disse que sempre deve haver alguma meditação curta, porque estou falando para iniciantes para os quais isso é verdade; mas para os mais avançados isso se torna menos necessário e, depois de um tempo, pode ser apenas uma distração.

Se a mente está o dia todo repleta de pensamentos e imaginações mundanos e perturbadores, sugeridos por negócios, diversões, conversas, estudos, leituras leves, etc., é evidentemente necessário pensar em algum assunto sagrado para ser capaz de orar com qualquer fervor ou recolhimento.

Quando, por outro lado, uma pessoa leva uma vida tranquila e isolada, com poucas distrações, leituras espirituais regulares e reflexões frequentes sobre assuntos espirituais, a alma é facilmente movida a orar, e menos meditação é necessária. Depois de algum tempo, com almas santas e contemplativas, qualquer linha de pensamento se tornaria uma distração; eles estão imediatamente, e sem esforço, absorvidos em Deus.

Podemos compará-los à pólvora; o menor pensamento em Deus age como uma faísca e os incendeia imediatamente, enquanto as almas distraídas são como madeira úmida que requer muita ajuda artificial para acendê-la.

3. “Quanto tempo deve durar a oração mental?” Nenhuma regra geral pode ser estabelecida. A verdadeira resposta é que, se considerarmos apenas o assunto em si, quanto mais tempo a oração mental pode durar, melhor para a alma; mas levando em consideração a fraqueza da maioria das almas e as muitas ocupações que não podem ser negligenciadas, meia hora por dia é um tempo médio razoável.

Porém, se meia hora parecer muito longa, comece com quinze minutos. Certamente, um pequeno quarto de hora em cada dia não é muito tempo para ser dedicado à maior de todas as ocupações – conversar com o próprio Deus.

Pessoas que estão constantemente ocupadas e mais devotas poderiam facilmente passar duas horas e meia, uma pela manhã, uma à noite, neste exercício sagrado. O apetite por esse maná espiritual aumentará ao satisfazê-lo.

Quanto mais você se permitir, mais você desejará. Isso pode ser dito em conclusão, que quanto mais tempo você gasta em oração mental fervorosa e humilde, mais rápido será seu progresso no caminho da virtude.

4. “Quando é o melhor momento para a oração mental?” Certamente de manhã cedo. Se for fielmente realizado nas primeiras horas da manhã, esse banquete espiritual estará assegurado, mas, uma vez que os deveres do dia tenham começado, é muito mais difícil encontrar tempo. Além disso, o início da manhã é o momento mais silencioso e muito menos sujeito a interrupções. O cérebro, sendo então revigorado pelo sono, é mais capaz de atender à oração.

Além de tudo isso, Deus parece mais inclinado a dar Suas graças àqueles que mortificam sua preguiça e se levantam cedo para louvá-Lo; e todos aqueles que praticam a oração mental concordarão que de manhã cedo é a melhor hora para conversar com Deus.

Esta parece ser a lição transmitida pelo ato do maná ser derramado no deserto no início da manhã e derreter com os primeiros raios do sol, “para que seja conhecido de todos, que devemos impedir o sol de abençoe-te e adore-te, ao amanhecer da luz. ”- Sabedoria, xvi, 28.

5. “Não tenho tempo para orações mentais.” É difícil responder a essa objeção comum com uma cara séria. O que significa é: “Não quero me dar ao trabalho de fazer orações mentais”. Dizer isso seria pelo menos honesto.

Mas alegar falta de tempo para passar 15 minutos das 24 horas em conversa com Deus é infantil. O que as mesmas pessoas diriam se vissem uma maneira de ganhar US $ 5 ou até US $ 1 empregando um quarto de hora em uma atividade específica bem dentro de seu poder? Com que rapidez o tempo seria encontrado!

Quem é que não gasta um quarto de hora diariamente em conversas inúteis, leituras ociosas ou não fazendo nada? Devo responder, arranje tempo levantando-se um quarto de hora antes. Tudo o que é necessário é um pouco mais de zelo no importante negócio da salvação .

6. “Onde a oração mental deve ser feita?” Deus está em toda parte, e não há nenhum lugar onde não possamos encontrá-lo, mas para falar com Ele com reverência e sem distração, um lugar privado deve ser procurado. “Quando você orar, entre em seu quarto e, fechando a porta, ore a seu Pai em segredo.” Matt. vi, 6. Nosso Senhor prescreveu este segredo para evitar ostentação e vanglória, mas outro motivo seria evitar distrações. Mas para quem não tem local adequado em casa, a igreja está sempre pronta.

7. “Que livro devo usar? Para aqueles que são capazes de pensar um pouco por si mesmos, um texto da Sagrada Escritura é o melhor alimento para a meditação, ou uma frase do Seguimento de Cristo [também conhecido como A Imitação de Cristo ] .

Mas muitos precisam que seu pensamento seja feito por eles por outra pessoa, e exatamente isso muitas vezes causa uma dificuldade. Eles encontram um livro que lhes fornece os pensamentos e reflexões de um homem que provavelmente estava em um estado completamente diferente, tanto mental quanto espiritual, do seu.

Seus pensamentos mais excelentes e frutíferos para si mesmo, não são adequados para eles, para suas dificuldades, suas tentações, seus deveres. A consequência é que eles acham esses pensamentos “secos” – isto é, eles não voltam para aqueles que usam o livro com qualquer força ou luz, embora sejam tão bons em si mesmos.

Via de regra, quanto mais simples um livro, melhor para o uso prático, e cada um deve tentar encontrar um autor, ou selecionar algumas partes de um livro, adequadas às necessidades de sua própria alma. Se você se deparar com um pensamento que golpeie sua mente, demore-o imediatamente, como uma abelha em uma flor de mel, e se esforce para extrair desse pensamento seus atos, petições e resoluções.

Se o pensamento sugerido pelo livro permite que você ore e resolva, ele cumpriu sua função; e você não precisa de forma alguma se angustiar, mesmo que os atos provocados e a resolução formada não pareçam ter qualquer conexão evidente e imediata com o pensamento anterior.

Há uma armadilha, como foi dito acima, que deve ser evitada com muito cuidado – isto é, parar de orar a fim de consultar o livro para mais pontos de reflexão; pois isso seria abandonar o relacionamento com Deus a fim de entreter novos pensamentos.

Por outro lado, é bom ter algum outro pensamento guardado, caso você não possa mais orar e precise de alguma luz nova do entendimento para impulsionar a vontade. Se persistir em usar algum livro que não se adapta às suas necessidades e cair no seu estado espiritual, correrá o risco de sofrer uma espécie de indigestão mental, por tentar assimilar pensamentos de outra mente não apta para ser o alimento de sua alma.

O resultado muito provavelmente será que você abandonará a oração mental com nojo, salvando: “Não adianta, não posso meditar!” Isso seria tão irracional quanto desistir de comer porque um tipo específico de alimento discorda de você e não é digerido. Encontre a comida que o fará.

Pensamentos simples sobre as quatro grandes verdades da religião, sobre a Paixão de Nosso Senhor, ou o mistério do Santíssimo Sacramento, serão adequados ao maior número de almas; e metade da dificuldade desaparece quando é claramente compreendido que um simples pensamento é amplamente suficiente, desde que o ajude a orar, que é o objetivo real do exercício.

Nem é de forma alguma necessário variar sempre o pensamento, pois muitas vezes a mesma reflexão repetida manhã após manhã, será suficiente para ajudá-lo a orar, e se assim for, por que mudá-lo? Comemos pão dia após dia, e se um pensamento nutre a alma manhã após manhã, por que trocá-lo por outro? Se começar a enfraquecer e a produzir distração, procure outro.

Uma alma sagrada encontrou matéria para oração e união com Deus por meses a fio com as duas simples palavras “Pai Nosso”. Se eles foram suficientes para formar matéria para oração por anos juntos, por que mudar? Ainda assim, algumas pessoas teriam se inclinado a puxar São Francisco pelo hábito e dizer: “Você está dizendo ‘Meu Deus e meu tudo’ há uma hora; não seria melhor ir ao segundo ponto?”

8. “Estou distraído.” Examine as causas dessas distrações. Se eles surgirem devido à grande dissipação da mente durante a vida diária, tente viver mais na presença de Deus. Se por não haver preparado nenhum pensamento definido, insistir no remédio é ter um sempre preparado. Se por mera fraqueza mental, não se perturbe, não use nenhum esforço violento, mas silenciosamente volte a mente para Deus. Uma coisa, pelo menos, evite totalmente, que é abandonar a oração mental porque você está distraído.

Com isso você não agradará a ninguém, exceto ao diabo. Ele faz todo o possível para que você desista da oração mental, porque sabe muito bem que, se perseverar nela, você será salvo.

Se, ao lhe causar distrações incômodas, ele puder fazê-lo abandonar a oração mental, ele foi bem-sucedido em seu objetivo. São Francisco de Sales nos diz que, se na oração mental nada podemos fazer senão banir continuamente as distrações e as tentações, tiraremos grande proveito do exercício e agradar a Deus. O que mais pode ser desejado?

Por último, para encorajar as almas a perseverar no hábito santificador da oração mental, convém lembrar que Bento XIV concedeu uma indulgência de sete anos a quem fizesse meia hora de oração mental durante o dia, e uma indulgência plenária se o é feita uma vez por mês, sob condição de confissão e comunhão, com orações pela intenção do Papa.

Aqueles que são membros da Confraria do Santo Rosário também podem ganhar cem dias de indulgência cada vez que fazem uma oração mental de um quarto de hora, e sete anos com sete quarentenas para cada meia hora dedicada a este exercício sagrado.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

x