Oração

Uma Oração de Santo Afonso de Ligório Diante do Santíssimo Sacramento

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Esta oração diante do Santíssimo Sacramento de Santo Afonso de Ligório, o célebre teólogo do século 18 e fundador da ordem dos Redentoristas, é uma maneira comovente e apropriada para iniciar uma visita de adoração e meditação com Nosso Senhor ali.

Santo Afonso de Ligório era conhecido como um campeão incansável de nossa fé, tanto como pregador quanto como autor prolífico de mais de 100 obras teológicas que já foram traduzidas para mais de 60 idiomas! Suas orações comoventes pela Via-Sacra ainda são usadas nos serviços religiosos  , especialmente durante a Quaresma.

Este trecho a seguir foi extraído de seções de Os Grandes Meios de Salvação e Perfeição, um dos vários livros que narram fielmente os muitos escritos religiosos desse grande santo, muitos dos quais ainda estão disponíveis hoje.

Destacamos certas partes deste artigo bastante extenso para a conveniência de nossos leitores, embora tudo isso seja um ótimo motivo para reflexão!

Embora a discussão sobre a oração mental em si no Capítulo 6 abaixo seja bastante detalhada, não se sinta intimidado por tudo isso . Não sinta que está fazendo algo errado se não estiver seguindo todas as sugestões dadas aqui!

A única maneira “errada” de fazer oração mental é simplesmente não fazê-la ou desistir rapidamente se sentir que não está “ganhando nada com isso”. Se você desistir por causa da aridez ou distrações (que todos os santos experimentaram em um momento ou outro), você pode muito bem perder outras oportunidades de experimentar o amor e a sabedoria de Deus de maneiras que você nunca imaginou!

Afinal, essas são orientações para ajudá-lo, não regras rígidas e rápidas. Esta não é uma receita tirada de um livro de receitas, mas sim um guia para uma conversa amorosa com Deus.

Sugerimos que você leia esta seleção devagar, com atenção e com oração  . Como este artigo é um tanto longo, destacamos alguns pontos-chave em negrito para ajudá-lo. Veja também nosso artigo sobre Mental Praye r para mais dicas e informações.

Esperamos que o que se segue ajude você a se aproximar de nosso Senhor em Oração! Deus abençoe!

 Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

ORAÇÃO MENTAL

Capítulo 1. A Oração Mental é
Moralmente Necessária para a Salvação

1. ILUMINA A MENTE 

Em primeiro lugar, sem oração mental a alma fica sem luz. Aqueles, diz Santo Agostinho, que mantêm os olhos fechados não conseguem ver o caminho para o seu país. As verdades eternas são todas as coisas espirituais que são vistas, não com os olhos do corpo, mas com os olhos da mente; isto é, por reflexão e consideração. Agora, aqueles que não fazem oração mental não veem essas verdades, nem veem a importância da salvação eterna e os meios que podem adotar para obtê-la.

A perda de tantas almas decorre da negligência em considerar o grande assunto de nossa salvação e o que devemos fazer para sermos salvos. “Em desolação”, diz o profeta Jeremias, “toda esta terra se tornou desolada, porque não há quem o considere no coração” (Jr 12, 2). Por outro lado, o Senhor diz que aquele que mantém diante de seus olhos as verdades da fé —- isto é, morte, julgamento e a eternidade feliz ou infeliz que nos espera —- nunca cairá em pecado. “ Em todas as tuas obras lembra-te do teu fim último, e nunca pecarás” (Sirach 7:36).

São Boaventura também diz que a oração mental é, por assim dizer, um espelho no qual vemos todas as manchas da alma. Numa carta ao Bispo de Osma, Santa Teresa diz: «Embora nos pareça que não temos imperfeições, ainda quando Deus abre os olhos da alma, como costuma fazer na oração, as nossas imperfeições são então claramente vistas. “

 Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Quem não faz oração mental nem conhece os seus defeitos e, portanto, como diz São Bernardo, não os abomina. Ele nem mesmo conhece os perigos aos quais está exposta sua salvação eterna e, portanto, nem pensa em evitá-los. Mas aquele que se aplica à meditação vê instantaneamente seus defeitos e os perigos da perdição e, ao vê-los, refletirá sobre os remédios para eles.

Meditando na eternidade, Davi se entusiasmou com a prática da virtude e com a tristeza e as obras de penitência por seus pecados. “Eu pensei nos dias da antiguidade e tinha em minha mente os anos eternos … e fui exercitado e varri meu espírito (Salmo 77: 6).” 

Quando a alma, como a tartaruga solitária, se retira e se recolhe em meditação para conversar com Deus, então as flores —– isto é, bons desejos —– aparecem: então chega a hora da poda, isto é, a correção de falhas que são descobertas na oração mental.

“Considere”, diz São Bernardo, “que o tempo da poda está próximo, se o tempo da meditação já passou.” Pois [diz o Santo em outro lugar] a meditação regula os afetos, dirige as ações e corrige os defeitos.

2. DISPÕE O CORAÇÃO À PRÁTICA DE VIRTUDES

Além disso, sem meditação não há força para resistir às tentações de nossos inimigos e praticar as virtudes do Evangelho. 

A meditação é como o fogo em relação ao ferro, que, quando frio, é duro, e só pode ser executado com dificuldade. Mas, colocado no fogo, torna-se mole, e o trabalhador dá-lhe a forma que deseja, diz o venerável Bartolomeu a Martyribus.

Para observar os preceitos e conselhos divinos, é necessário ter um coração terno, ou seja, um cervo dócil e preparado para receber as impressões das inspirações celestes e pronto para obedecê-las. Foi isso que Salomão pediu a Deus: “Dá, pois, ao teu servo um coração entendido” (3 Reis 3: 9).

O pecado tornou nosso coração duro e indócil; pois, estando totalmente inclinado ao prazer sensual, ele resiste, como o apóstolo reclamava, às leis do espírito: “Mas vejo outra lei em meus membros, que luta contra a lei de minha mente” (Rom. 7: 23).

Mas o homem se torna dócil e sensível à influência da graça que é comunicada na oração mental . Pela contemplação da bondade divina, do grande amor que Deus lhe deu e dos imensos benefícios que Deus lhe concedeu, o homem se inflama de amor, seu coração se abranda e se torna obediente às inspirações divinas.

Mas, sem oração mental, seu coração permanecerá duro, inquieto e desobediente, e assim ele estará perdido : “O coração duro acabará com o mal” (Sirach 3: 27). Portanto, São Bernardo exortou o Papa Eugênio a nunca omitir as meditações por causa de ocupações externas. “Eu temo por você, ó Eugene, que a multidão de assuntos [oração e consideração sendo interrompidas] pode levá-lo a um coração duro, que não abomina a si mesmo, porque não percebe.”

Alguns podem imaginar que o longo tempo que almas devotas dedicam à oração, e que poderiam despender em obras úteis, é inútil e perdido. Mas tais pessoas não sabem que na oração mental as almas adquirem força para vencer os inimigos e praticar a virtude .

“Deste lazer”, diz São Bernardo, “surge a força”. Portanto, o Senhor ordenou que sua esposa não fosse incomodada. “Eu te suplico … que não despertes, nem despertes a minha amada até que ela queira” (Cântico dos Cânticos 3: 5). Ele diz: “até que ela queira”; pois o sono ou repouso que a alma recebe na oração mental é perfeitamente voluntário, mas é, ao mesmo tempo, necessário para sua vida espiritual. Quem não dorme não tem forças para trabalhar nem para andar, mas vai cambaleando pelo caminho.

A alma que não repousa e não adquire forças na meditação não resiste às tentações e cambaleia no caminho . Na vida da Venerável Irmã Maria Crucificada, lemos que, enquanto orava, ela ouviu um demônio se gabando de ter feito uma freira omitir a meditação comum, e que depois, por ele continuar a tentá-la, ela corria perigo de consentir com o pecado mortal. O servo de Deus correu até a freira e, com a ajuda divina, resgatou-a da sugestão criminosa. Observe o perigo ao qual aquele que omite a meditação expõe sua alma!

 Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

Santa Teresa costumava dizer que quem negligencia a oração mental não precisa de um demônio para levá-lo ao Inferno, mas que lá se traz com as próprias mãos. E o Abade Diocles diz que “o homem que omite a oração mental logo se torna uma besta ou um demônio”. 

3. ISSO AJUDA A ORAR COMO DEVEMOS 

Sem petições de nossa parte, Deus não concede ajudas divinas; e sem a ajuda de Deus, não podemos observar os Mandamentos. Da necessidade absoluta da oração de petição surge a necessidade moral da oração mental; pois aquele que negligencia a meditação e está distraído com assuntos mundanos, não conhecerá suas necessidades espirituais, os perigos aos quais sua salvação está exposta, os meios que ele deve adotar a fim de vencer as tentações, ou sempre a necessidade da oração de súplica para todos os homens; assim, ele abandonará a prática da oração e, por negligenciar pedir as graças de Deus, certamente se perderá.

O grande Bispo Palafox em suas Anotações às cartas de Santa Teresa, diz: “Como pode durar a caridade, se Deus não der perseverança? Como o Senhor nos dará perseverança, se deixarmos de pedir-lhe?

E como devemos pedir Ele sem oração mental? Sem oração mental, não há a comunicação com Deus que é necessária para a preservação da virtude. ” E o cardeal Belarmino diz que para quem negligencia a meditação é moralmente impossível viver sem pecado. 

Alguém pode dizer: Eu não faço orações mentais, mas digo muitas orações vocais. Mas é preciso saber, como observa Santo Agostinho, que para obter a graça divina não basta rezar com a língua, é preciso rezar também com o coração.

Nas palavras de Davi, “clamei ao Senhor com a minha voz” (Salmos 141: 2), o santo Doutor diz: “Muitos não choram com a própria voz [isto é, não com a voz interior da alma] , mas com a do corpo. Seus pensamentos são um clamor ao Senhor. Chore por dentro, onde Deus ouve. “

É o que o Apóstolo ensina: “Orando em todo o tempo no espírito” (Ef 6, 18). Em geral, as orações vocais são ditas distraidamente com a voz do corpo, mas não do coração, especialmente quando são longas, e ainda mais especialmente quando ditas por uma pessoa que não faz oração mental; e, portanto, Deus raramente os ouve e raramente concede as graças pedidas.

Muitos rezam o Rosário, o Ofício da Santíssima Virgem, e realizam outras obras de devoção; mas eles ainda continuam em pecado. Mas é impossível para aquele que persevera na oração mental continuar no pecado: ou desistirá da meditação ou renunciará ao pecado. Um grande servo de Deus costumava dizer que a oração mental e o pecado não podem coexistir.

E isso vemos por experiência: aqueles que fazem oração mental raramente incorrem na inimizade do Bem; e caso tenham o infortúnio de cair no pecado, perseverando na oração mental, eles vêem sua miséria e voltam para Deus.

Que a alma, diz Santa Teresa, seja sempre negligente, se perseverar na meditação, o Senhor a trará de volta ao porto da salvação.

Capítulo 2. A Oração Mental é Indispensável
para Alcançar a Perfeição 

Todos os santos se tornaram santos pela oração mental. A oração mental é a fornalha abençoada na qual as almas são inflamadas com o amor Divino. “Na minha meditação”, diz Davi, “um fogo se apagará” (Salmos 39: 4). São Vicente de Paulo costumava dizer que seria um milagre se um pecador que assiste aos sermões na missão, ou nos exercícios espirituais, não se convertesse.

Agora, aquele que prega e fala nos exercícios é apenas um homem; mas é o próprio Deus que fala à alma em meditação. “Eu a conduzirei ao deserto, e falarei ao seu coração” (Oséias 2:14).

Santa Catarina de Bolonha costumava dizer: “Quem não pratica a oração mental priva-se do vínculo que une a alma a Deus; por isso, encontrando-a só, o diabo facilmente a tornará sua”. “Como”, ela diria, “posso conceber que o amor de Deus seja encontrado na alma que pouco se importa em tratar com Deus em oração?” 

Onde, senão na meditação, os santos foram inflamados com o amor divino? Por meio da oração mental, São Pedro de Alcântara foi inflamado a tal ponto que, para se resfriar, correu para uma piscina congelada, e a água congelada começou a ferver como água em um caldeirão colocado no fogo.

Em oração mental, São Filipe Neri inflamava-se e tremia tanto que sacudia toda a sala. Na oração mental, Santo Aloysius Gonzaga estava tão inflamado com o ardor divino que seu próprio rosto parecia estar em chamas, e seu coração batia tão forte como se quisesse fugir do corpo. 

São Laurence Justinian diz: “Pela eficácia da oração mental, a tentação é banida, a tristeza é afastada, a virtude perdida é restaurada, o fervor que esfriou é excitado e a adorável chama do amor divino é aumentada.” Por isso, Santo Aloysius Gonzaga disse com justiça que quem não faz muitas orações mentais nunca alcançará um alto grau de perfeição. 

Um homem de oração, diz Davi, é como uma árvore plantada perto da correnteza, que dá frutos no tempo devido; todas as suas ações prosperam diante de Deus. “Bem-aventurado o homem … que meditará na sua lei dia e noite!

E será como a árvore plantada junto às águas que correm, a qual dará os seus frutos no tempo devido, e a sua folha não cairá : e tudo o que ele fizer prosperará “(Salmos 1: 3). Marque as palavras “no devido tempo”; isto é, no momento em que ele deveria suportar tal dor, tal afronta, etc. 

São João Crisóstomo comparou a oração mental a uma fonte no meio de um jardim. Oh! que abundância de flores e de plantas verdes vemos no jardim sempre refrescado com a água da fonte!

Tal é precisamente a alma que pratica a oração mental: você verá que ela sempre avança nos bons desejos, e que sempre produz frutos de virtude mais abundantes. De onde a alma recebe tantas bênçãos? Da meditação, pela qual é continuamente irrigado. “Tuas plantas são um paraíso de romãs com os frutos do pomar… A fonte dos jardins, o poço de águas vivas, que correm com um forte riacho de Ubanus.” (Cântico dos Cânticos 4:13).  

Mas que a fonte cesse de regar o jardim e, eis que as flores, plantas e tudo isso instantaneamente murcha; e porque? Porque a água falhou. Você verá que, enquanto essa pessoa fizer oração mental, ela será modesta, humilde, devota e mortificada em todas as coisas.

Mas deixe-o omitir a meditação, e você imediatamente o encontrará carente na modéstia dos olhos, orgulhoso, ressentido de cada palavra, independente, não mais freqüentando os sacramentos e a igreja; você o encontrará apegado à vaidade, às conversas inúteis, aos passatempos e aos prazeres terrenos; e porque? A água acabou e, portanto, o fervor cessou. “Minha alma é para ti como terra sem água … Meu espírito desfaleceu” (Salmos 143: 6).

A alma negligenciou a oração mental, o jardim, portanto, secou e a alma miserável vai de mal a pior. Quando uma alma abandona a meditação, Santo Crisóstomo a considera não apenas doente, mas também morta. “Aquele”, diz o santo Doutor, “que não ora a Deus, nem deseja desfrutar assiduamente de Sua conversação divina, está morto … A morte de uma alma não deve ser prostrada diante de Deus.”

O mesmo Pai diz que a oração mental é a raiz da videira fecunda. E São João Clímax escreve que a oração é um baluarte contra o ataque das aflições, a fonte das virtudes, o procurador das graças. “Rufinus afirma que todo o progresso espiritual da alma flui da oração mental. E Gerson vai tão longe como dizer que aquele que negligencia a meditação não pode, sem um milagre, levar uma vida de cristão.

Falando em oração mental, Jeremias diz: “Ele se sentará solitário e se calará; porque o fez sobre si mesmo” (Lam. 3:28). Ou seja, uma alma não pode ter gosto por Deus, a menos que se afaste das criaturas e se sente, isto é, pare para contemplar a bondade, o amor, a amabilidade de Deus. Mas quando solitário e recolhido na meditação —– isto é, quando ela tira seus pensamentos do mundo —– é então elevado acima de si mesmo; e se afasta da oração muito diferente do que era quando ela começou. 

Santo Inácio de Loyola costumava dizer que a oração mental é o caminho mais curto para atingir a perfeição. Em uma palavra, aquele que mais avança na meditação faz o maior progresso na perfeição. Na oração mental, a alma se enche de pensamentos santos, de afeições, desejos e resoluções sagradas, e de amor a Deus. Lá o homem sacrifica suas paixões, seus apetites, seus apegos terrestres e todos os interesses do amor próprio.

Além disso, orando por eles, na oração mental, podemos salvar muitos pecadores, como foi feito por Santa Teresa, Santa Maria Madalena de Pazzi, e é feito por todas as almas apaixonadas por Deus, que nunca omitem, em suas meditações, para recomendar a Ele todos os infiéis, hereges e todos os pecadores pobres, implorando-Lhe também que dê zelo aos sacerdotes que trabalham em Sua vinha, para que possam converter Seus inimigos.

Na oração mental, também podemos, pelo único desejo de realizá-las, obter o mérito de muitas boas obras que não realizamos. Pois, assim como o Senhor pune os desejos ruins, por outro lado, ele recompensa todos os nossos desejos bons. 

Capítulo 3. O Fim da Oração Mental

Para praticar bem a oração mental, ou meditação, e torná-la verdadeiramente proveitosa para a alma, devemos bem determinar os fins para os quais a tentamos. 

PARA NOS UNIR A DEUS 

Devemos meditar para nos unirmos mais completamente a Deus. Não são tanto os bons pensamentos do intelecto, mas os bons atos da vontade, ou desejos santos, que nos unem a Deus; e tais são os atos que praticamos na meditação – atos de humildade, confiança, abnegação, resignação e, especialmente, de amor e de arrependimento por nossos pecados. Os atos de amor, diz Santa Teresa, são aqueles que mantêm a alma inflamada com o amor santo. 

Mas a perfeição desse amor consiste em tornar nossa vontade uma só com a de Deus; pois o efeito principal do amor, como diz Dionísio, o Areopagita, é unir as vontades dos que amam, de modo que tenham um só coração e uma só vontade.

Diz também Santa Teresa: «Tudo o que deve almejar aquele que se exercita na oração é conformar-se à vontade divina, e pode ter a certeza de que nisto consiste a mais alta perfeição; aquele que melhor praticar isso receberá o maior dons de Deus, e fará o maior progresso em uma vida interior. “

Muitos há, porém, que se queixam de que vão orar e não encontram Deus; a razão disso é que eles carregam consigo um coração cheio de terra. “Separe o coração das criaturas, diz Santa Teresa; busque a Deus e você O encontrará.” “O Senhor é bom para a alma que o busca” (Lam. 3: 25). Portanto, para encontrar Deus na oração, a alma deve ser despojada de seu amor pelas coisas da terra, e então Deus falará com ela : “Eu a conduzirei ao deserto e falarei ao seu coração” (Oséias 2 : 14).

Mas para encontrar Deus não basta a solidão do corpo, como observa São Gregório; a do coração também é necessária. O Senhor disse um dia a Santa Teresa: “Gostaria de falar de boa vontade a muitas almas; mas o mundo faz tanto barulho no seu coração que a minha voz não se faz ouvir”. Ah! Quando uma alma desapegada está empenhada em oração, Deus realmente fala com ela e a faz compreender o amor que Ele a carregou; e então a alma, diz St. Laurence Justinian, ardendo com amor santo, não fala; mas naquele silêncio, oh, quanto isso diz!

O silêncio da caridade, observa o mesmo escritor, diz mais a Deus do que poderia ser dito pelas maiores forças da eloqüência humana; cada suspiro que emite é uma manifestação de todo o seu interior. Parece então que não poderia repetir com freqüência suficiente: “Meu bem-amado para mim e eu para ele.”

PARA OBTER A GRAÇA DE DEUS 

Devemos meditar para obter de Deus as graças necessárias para avançar no caminho da salvação e, principalmente, para evitar o pecado e usar os meios que nos conduzam à perfeição. 

O melhor fruto que vem da meditação é o exercício da oração. O Deus Todo-Poderoso, normalmente falando, não dá graça a ninguém, exceto àqueles que oram.

São Gregório escreve: “Deus deseja ser suplicado; Ele deseja ser constrangido; Ele deseja ser, por assim dizer, vencido pela importunação.” É verdade que em todos os momentos o Senhor está pronto para nos ouvir, mas no momento da meditação, quando estamos mais verdadeiramente em conversação com Deus, Ele é mais generoso em nos dar Seu auxílio. 

Acima de tudo, devemos, na meditação, pedir a Deus perseverança e Seu santo amor.  A perseverança final não é uma graça única, mas uma cadeia de graças, à qual deve corresponder a cadeia de nossas orações. Se pararmos de orar, Deus deixará de nos dar Sua ajuda e morreremos.

Aquele que não pratica meditação encontrará a maior dificuldade em perseverar na graça até a morte. Lembremo-nos do que diz Palafox: “Como o Senhor nos dará perseverança se não a pedirmos? E como a pediremos sem meditação? Sem meditação não há comunhão com Deus.” 

Devemos também ser urgentes com orações para obter de Deus Seu santo amor. São Francisco de Sales diz que todas as virtudes vêm em união com o amor santo. “Todas as coisas boas vieram para mim junto com ela.”

Oremos, portanto, continuamente por perseverança e amor e, para orar com maior confiança, tenhamos sempre em mente a promessa que nos foi feita por Jesus Cristo, de que tudo o que buscarmos de Deus pelos méritos de Seu Filho, Ele nos dará. Oremos, então, e oremos sempre, se desejamos que Deus nos faça abundar em todas as bênçãos.

Oremos por nós mesmos e, se temos zelo pela glória de Deus, oremos também pelos outros. É algo muito agradável a Deus ser implorado por descrentes e hereges, e todos os pecadores. “Deixe o povo confessar a Ti, um Deus; deixe todo o povo confessar a Ti.” [Ps. 66: 6] Digamos, Senhor, faze-los conhecer-Te, faze-los Te amar. Lemos na vida de Santa Teresa e de Santa Maria Madalena de Pazzi como Deus inspirou essas mulheres sagradas a orar pelos pecadores. E às orações pelos pecadores, acrescentemos também orações pelas Santas Almas do Purgatório. 

NÃO DEVEMOS PROCURAR NA ORAÇÃO MENTAL CONSOLAÇÕES
ESPIRITUAIS 

Devemos nos aplicar à meditação, não por causa de consolações espirituais, mas principalmente a fim de aprender qual é a vontade de Deus a nosso respeito. “Fala, Senhor”, disse Samuel a Deus, “porque o teu servo ouve” (1 Reis 3: 9). Senhor, faze-me saber o que queres, para que eu o faça. Algumas pessoas continuam a meditar enquanto os consolos continuam; mas quando estes cessam, eles abandonam a meditação.

É verdade que Deus está acostumado a confortar Suas amadas almas no momento da meditação e a dar-lhes uma amostra das delícias que Ele prepara no Céu para aqueles que O amam.

Essas são coisas que os amantes do mundo não compreendem; aqueles que não têm sabor exceto pelas delícias terrenas desprezam aqueles que são celestiais. Oh, se eles fossem sábios, com que certeza deixariam seus prazeres para se fecharem em seus aposentos, para falar a sós com Deus!

A meditação nada mais é do que uma conversa entre a alma e Deus; a alma derrama para Ele suas afeições, seus desejos, seus temores, seus pedidos, e Deus fala ao coração, fazendo-o conhecer Sua bondade e o amor que Ele tem, e o que deve fazer para agradá-Lo. 

Mas essas delícias não são constantes e, na maioria das vezes, as almas santas experimentam muita secura de espírito na meditação. «Com aridez e tentações», diz Santa Teresa, «o Senhor dá provas de quem O ama». E acrescenta: “Mesmo que essa aridez dure pela vida, não deixe a alma parar de meditar; chegará o tempo em que todos serão bem recompensados.”

O tempo de secura é o momento de obter as maiores recompensas; e quando nos encontrarmos aparentemente sem fervor, sem bons desejos e, por assim dizer, incapazes de fazer uma boa ação, vamos nos humilhar e nos resignar, pois essa mesma meditação será mais frutífera do que outras.

Basta então dizer, se não podemos dizer mais nada: “Ó Senhor, ajuda-me, tem misericórdia de mim, não me abandones!” Recorramos também à nossa Consoladora, Maria Santíssima. Feliz aquele que não abandona a meditação na hora da desolação.

Capítulo 4: Principais Assuntos de Meditação

O Espírito Santo diz: “Em todas as tuas obras lembra-te do teu fim último, e nunca pecarás” (Sirach 7:36).  Aquele que freqüentemente medita nas quatro últimas coisas – a saber, morte, julgamento e a eternidade do Inferno e do Paraíso não cairá no pecado. Mas essas verdades não são vistas com os olhos do corpo; a alma apenas os percebe .

Se não forem mediados, desaparecem da mente; e então os prazeres dos sentidos se apresentam, e aqueles que não guardam diante de si as verdades eternas são facilmente apreendidos por eles; e esta é a razão pela qual tantos se abandonam ao vício e são condenados. Todos os cristãos sabem e acreditam que devem morrer e que todos seremos julgados; mas porque eles não pensam sobre isso, eles viverão longe de Deus. 

Se, além disso, não meditarmos especialmente em nossa obrigação de amar a Deus por causa de Suas infinitas perfeições e as grandes bênçãos que Ele nos conferiu, e o amor que Ele nos carregou, dificilmente nos separaremos do amor de criaturas para fixar todo o nosso amor em Deus.

É no momento da oração que Deus nos dá a compreensão da inutilidade das coisas terrenas e do valor das coisas boas do Céu; e então é que Ele inflama com Seu amor aqueles corações que não oferecem resistência aos Seus chamados. 

Afinal, a boa regra é que meditemos preferivelmente nas verdades e nos mistérios que mais nos tocam e procuremos para a nossa alma o alimento mais abundante.

No entanto, o tema mais adequado para uma pessoa que aspira à perfeição deve ser a Paixão de Nosso Senhor. Louis Blosius relata que nosso Senhor revelou a várias mulheres santas —– a Santa Gertrudes, Santa Brígida, Santa Mechtilde e Santa Catarina de Siena —– que aqueles que meditam em Sua Paixão são muito queridos para ele. Segundo São Francisco de Sales, a Paixão de nosso Redentor deve ser o tema ordinário da meditação de todo cristão. Oh, que livro excelente é a Paixão de Jesus!

Aí entendemos, melhor do que em qualquer outro livro, a malícia do pecado e também a misericórdia e o amor de Deus pelo homem. Para mim parece que Jesus Cristo sofreu tantas dores diferentes —- -a flagelação, a coroação de espinhos, a crucificação , etc .—– que, tendo diante de nossos olhos tantos mistérios dolorosos, poderíamos ter uma variedade de assuntos diferentes para meditar em Sua Paixão, pelos quais podemos despertar sentimentos de gratidão e amor. 

Capítulo 5. O lugar e a hora
adequados para a meditação 

O LUGAR

Podemos meditar em qualquer lugar, em casa ou em qualquer outro lugar, até mesmo caminhando, trabalhando. Quantos há que, não podendo fazê-lo de outra forma, elevam seus corações a Deus e aplicam suas mentes à oração mental, sem deixar para isso suas ocupações, seu trabalho, ou meditar mesmo quando viajam! Aquele que busca a Deus o encontrará em todos os lugares, o tempo todo. 

A condição essencial para conversar com Deus é a solidão do coração , sem a qual a oração seria inútil, e, como diz São Gregório, pouco ou nada nos aproveitaria estar com o corpo em um lugar solitário, enquanto o coração está. cheio de pensamentos e afeições mundanas.

Mas, para desfrutar a solidão do coração, que consiste em se livrar dos pensamentos e afetos mundanos, desertos e cavernas não são absolutamente necessários.

Aqueles que por necessidade são obrigados a conversar com o mundo, sempre que seus corações estão livres de apegos mundanos, mesmo nas ruas públicas, nos lugares de férias e nas assembléias públicas, podem possuir uma solidão de coração e continuar unidos a Deus.

Todas as ocupações que assumimos a fim de cumprir o Divino não terão o poder de impedir a solidão do coração.

Santa Catarina de Siena verdadeiramente encontrou Deus no meio dos trabalhos domésticos em que seus pais a mantinham ocupada a fim de tirá-la dos exercícios devocionais; mas em meio a esses acontecimentos ela preservou um retiro em seu coração, que chamou de sua cela, e ali não parou de conversar apenas com Deus. 

Porém, quando pudermos, devemos nos retirar para um lugar solitário para fazer nossa meditação. Nosso Senhor disse: “Quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora em secreto a teu Pai” (Mt 6: 6). São Bernardo diz que o silêncio e a ausência de qualquer ruído quase obrigam a alma a pensar nos bens do céu. 

Mas o melhor lugar para fazer oração mental é a igreja; pois Jesus Cristo se deleita especialmente na meditação que se faz diante do Santíssimo Sacramento, pois ali parece que Ele concede luz e graça abundantemente a quem o visita.

Ele se deixou neste Sacramento, não só para ser o alimento das almas que O recebem na Sagrada Comunhão, mas também para ser encontrado em todos os momentos por cada um que O busca.

Peregrinos devotos vão à sagrada Casa de Loreto, onde Jesus Cristo morou durante sua vida; e para Jerusalém, onde morreu na cruz; mas quão maior deve ser nossa devoção quando O encontramos diante de nós no tabernáculo, no qual este próprio Senhor agora habita em pessoa, que viveu entre nós e morreu por nós no Calvário!

Não é permitido no mundo que pessoas de todas as classes falem a sós com reis; mas com Jesus Cristo, o Rei dos reis, tanto nobres como plebeus, ricos e pobres, podem conversar à sua vontade, apresentando a Ele suas necessidades e buscando Sua graça; e ali Jesus dá audiência a todos, ouve todos e conforta todos. 

A HORA 

Temos aqui que considerar duas coisas – a saber, a hora do dia mais adequada para a oração mental e o tempo a ser gasto em fazê-la.

1. Segundo São Boaventura, a manhã e a noite são as duas partes do dia que, normalmente, são mais adequadas para a meditação. Mas, segundo São Gregório de Nissa, a manhã é o momento mais oportuno para a oração, porque diz o Santo, quando a oração precede os negócios, o pecado não encontrará entrada na alma. E o Venerável Padre Charles Carafa, fundador da Congregação dos Piedosos Trabalhadores, costumava dizer que um fervoroso ato de amor, feito pela manhã durante a meditação, é suficiente para manter a alma em fervor durante todo o dia.

A oração, como escreveu São Jerônimo, também é necessária à noite. Não deixe o corpo descansar antes que a alma seja refrescada pela oração mental, que é o alimento da alma. Mas em todos os momentos e em todos os lugares podemos orar; basta-nos elevar a mente a Deus e praticar boas ações, pois nisso consiste a oração mental. 

2. Quanto ao tempo a ser gasto na oração mental, a regra dos santos era dedicar a ela todas as horas que não fossem necessárias para as ocupações da vida humana.

São Francisco Borgia trabalhava na meditação oito horas por dia, porque seus superiores não lhe permitiam mais tempo; e quando as oito horas haviam expirado, ele sinceramente pediu permissão para permanecer um pouco mais em oração, dizendo: “Ah! Dê-me mais um pequeno quarto de hora.”

São Filipe Neri costumava passar a noite inteira em oração. Santo Antônio Abade permaneceu toda a noite em oração; e quando o sol apareceu, que era o tempo designado para terminar sua oração, ele reclamou dele por ter se levantado muito cedo. 

O Padre Balthassar Alvarez dizia que uma alma que ama a Deus, quando não está em oração, é como uma pedra fora do seu centro, em estado de violência ‘pois nesta vida devemos, tanto quanto possível’ imitar a vida dos Santos na bem-aventurança, que estão constantemente empregados na contemplação de Deus. 

Mas cheguemos ao momento particular que um religioso que busca a perfeição deve dedicar à oração mental. O padre Torres prescrevia uma hora de meditação pela manhã, outra durante o dia e meia hora de meditação à noite, quando não deviam ser impedidas por doenças ou por qualquer dever de obediência.

Se para você isso parece demais, aconselho-o a dedicar pelo menos duas horas à oração mental. É certo que meia hora de meditação por dia não seria suficiente para atingir um alto grau de perfeição; para iniciantes, entretanto, isso seria suficiente.

Às vezes o Senhor deseja que você omita a oração para realizar alguma obra de caridade fraterna; mas é necessário atender ao que diz São Lourenço Justiniano: “Quando a caridade o exige, a esposa de Jesus vai servir ao próximo; mas durante esse tempo ela suspira continuamente para voltar a conversar com seu esposo na solidão de sua cela . ” O Padre Vincent Carafa, Geral da Companhia de Jesus, roubou tantos pequenos momentos de tempo quanto pôde e os empregou na oração. 

A oração mental é tediosa para aqueles que estão apegados ao mundo, mas não para aqueles que amam apenas a Deus. Ah! A conversa com Deus não é dolorosa nem entediante para aqueles que O amam de verdade. Sua conversa não tem amargura, Sua companhia não produz tédio, mas alegria e alegria. “

A oração mental, diz São João Clímax, nada mais é do que uma conversa familiar e união com Deus. Na oração, como diz São Crisóstomo, a alma conversa com Deus e Deus com a alma.

Não, a vida de pessoas santas que amam a oração e fogem das diversões terrenas não é uma vida de amargura. Se você não acredita em mim, “Prove e veja que o Senhor é doce” (Salmo 33: 9). Experimente e verá como o Senhor é doce para com aqueles que deixam todas as coisas para conversar somente com ele.

Mas o fim que devemos nos propor ao ir à meditação deve ser, como já foi dito várias vezes, não o consolo espiritual, mas aprender de nosso Senhor o que Ele deseja de nós e nos despojar de todo amor próprio.

“Para se preparar para a oração”, diz São João Clímaco, “adie sua própria vontade.” Para nos prepararmos bem para a meditação, devemos renunciar à obstinação e dizer a Deus: “Fala, Senhor, porque o Teu servo ouve”. Senhor, diga-me o que deseja que eu faça; Estou disposto a fazer isso. E é preciso dizer isso com vontade decidida, pois sem essa disposição o Senhor não nos falará.

Capítulo 6. A maneira de fazer oração mental 

A oração mental contém três partes: a preparação, a meditação e a conclusão. 

I. A PREPARAÇÃO

Comece dispondo sua mente e corpo para entrar em recordações piedosas. 

Deixe na porta do lugar onde você vai conversar com Deus todos os pensamentos alheios, dizendo, com São Bernardo, ó meus pensamentos! espere aqui: depois da oração falaremos sobre outros assuntos. Tenha cuidado para não permitir que a mente vagueie por onde deseja; mas se um pensamento perturbador entrar, aja como lhe diremos no Capítulo 7. 

A postura do corpo mais adequada para a oração é ajoelhar-se; mas se essa postura se tornar tão enfadonha a ponto de causar distrações, podemos, como diz São João da Cruz, fazer nossa meditação sentando-nos modestamente. 

A preparação consiste em três atos: 1. Ato de fé na presença de Deus; 2. Ato de humildade e de contrição; 3. Ato de petição por luz. Podemos realizar esses atos da seguinte maneira: 

Ato de fé na presença de Deus e ato de adoração

“Meu Deus, creio que estás aqui presente e te adoro com toda a minha alma”. 

Tenha o cuidado de fazer esse ato com uma fé viva, pois uma lembrança viva da presença Divina contribui muito para remover as distrações. O cardeal Carracciolo, bispo de Aversa, costumava dizer que quando uma pessoa se distrai com a oração, há motivos para pensar que ela não fez um ato de fé viva. 

Ato de humildade e contrição 

“Senhor, eu deveria estar agora no Inferno para punir as ofensas que Te fiz. Sinto muito por elas do fundo do meu coração; tem misericórdia de mim.” 

Ato de Petição para Luz

“Pai Eterno, por amor de Jesus e Maria, dá-me luz nesta meditação, para que dela tire fruto”. 

Devemos então nos recomendar à Santíssima Virgem, dizendo uma “Ave Maria”, a São José, ao nosso anjo da guarda e ao nosso santo Patrono. 

Esses atos, diz São Francisco de Sales, devem ser feitos com fervor, mas devem ser curtos para que possamos passar imediatamente à meditação. 

II. A MEDITAÇÃO 

Quando você medita em particular, você sempre pode usar algum livro, pelo menos no início, e parar quando se sentir mais tocado.

São Francisco de Sales diz que nisto faríamos como as abelhas que param em uma flor, desde que nela encontrem algum mel, e depois passem para outra. Santa Teresa usou um livro por dezessete anos; ela primeiro lia um pouco, depois meditava um pouco sobre o que havia lido . É útil meditar assim, imitando o pombo que primeiro bebe e depois levanta os olhos para o céu. 

Quando a oração mental é feita em comum, uma pessoa lê para as demais o assunto da meditação e a divide em duas partes: a primeira é lida no início, após os atos preparatórios; a segunda, a meio da meia hora, ou depois da Consagração se a meditação for feita durante a Missa. Deve-se ler em voz alta e devagar, para ser bem compreendido. 

Deve ser lembrado que a vantagem da oração mental consiste não tanto em meditar, mas em fazer afeições, petições e resoluções: estes são os três principais frutos da meditação. «O progresso de uma alma», diz Santa Teresa, «não consiste em pensar muito em Deus, mas em amá-lo com ardor; e este amor se adquire resolvendo fazer muito por Ele».

Falando em oração mental, os mestres espirituais dizem que a meditação é, por assim dizer, a agulha que, quando passa, deve ser seguida pelo fio de ouro, composto, como já foi dito, de afeições, petições e resoluções; e isso vamos explicar. 

1. AS AFEIÇÕES 

Depois de ter refletido sobre o ponto de meditação e sentir qualquer sentimento piedoso, eleve seu coração a Deus e ofereça-Lhe atos de humildade, de confiança ou de ação de graças; mas, acima de tudo, repita na oração mental atos de contrição e de amor. O ato de amor, como também o ato de contrição, é a corrente de ouro que liga a alma a Deus.

Um ato de perfeita caridade é suficiente para a remissão de todos os nossos pecados: “A caridade cobre uma multidão de pecados.” [1 Pedro 4: 8] O Senhor declarou que não pode odiar a alma que O ama: “Eu amo os que me amam.” [Prov. 8: 17] A Venerável Irmã Maria Crucificada uma vez viu um globo de fogo no qual algumas palhas que haviam sido jogadas nele foram imediatamente consumidas.

Por esta visão ela foi dada a entender que uma alma, fazendo um verdadeiro ato de amor, obtém a remissão de todas as suas faltas. Além disso, o Doutor Angélico ensina que por cada ato de amor adquirimos um novo grau de glória. “Todo ato de caridade merece a vida eterna.” [1. 2, q. 114, a. 7]

Atos de amor podem ser feitos da seguinte maneira: 

“Meu Deus, eu te estimo mais do que todas as coisas.” 

“Amo-Te de todo o coração. Deleito-me em Tua felicidade.” 

“Eu gostaria de ver-te amado por todos. Eu desejo apenas o que tu desejas.” 

“Faça-me saber o que desejas de mim e eu o farei.” 

“Disponha como quiser de mim e de tudo o que eu possuo.” 

Este último ato de oblação é particularmente querido por Deus. 

Na meditação, entre os atos de amor para com Deus, não há nada mais perfeito do que desfrutar da alegria infinita de Deus. Este é certamente o exercício contínuo dos bem-aventurados no Céu; de modo que aquele que muitas vezes se alegra na alegria de Deus comece nesta vida a fazer o que espera fazer no céu por toda a eternidade. 

Pode ser útil observar aqui, com Santo Agostinho, que não é a tortura, mas a causa que faz o mártir. Donde São Tomás [2. 2, q. 124, a. 5] ensina que martírio é sofrer a morte no exercício de um ato de virtude.

Do que podemos inferir, que não só quem pelas mãos do algoz dá a vida pela fé, mas quem morre para cumprir a vontade divina e para agradar a Deus é um mártir, pois ao se sacrificar aos Com amor divino, ele realiza um ato da mais elevada virtude.

Todos nós temos que pagar a grande dívida da natureza; esforcemo-nos, portanto, em santa oração, para obter resignação à vontade divina – receber a morte e toda tribulação em conformidade com as dispensações de Sua Providência. Sempre que executarmos este ato de resignação com fervor suficiente, podemos esperar ser feitos participantes dos méritos dos Mártires. Santa Maria Madalena, ao recitar a doxologia, sempre curvava a cabeça com o mesmo espírito com que faria ao receber o golpe do carrasco.

Lembre-se de que aqui falamos da oração mental comum; pois caso alguém se sinta a qualquer momento unido a Deus por reminiscência sobrenatural ou infusa, sem qualquer pensamento particular de uma verdade eterna ou de qualquer mistério divino, ele não deve então trabalhar para realizar quaisquer outros atos além daqueles pelos quais se sente docemente atraído para Deus. Basta então esforçar-se, com atenção amorosa, por permanecer unido a Deus, sem impedir a operação Divina, nem se obrigar a fazer reflexões e atos.

Mas isso deve ser entendido quando o Senhor chama a alma para essa oração sobrenatural; mas até que recebamos tal chamado, não devemos nos afastar do método comum de oração mental, mas devemos, como já foi dito, fazer uso da meditação e dos afetos. No entanto, para pessoas acostumadas à oração mental, é melhor empregar-se em afeições do que em consideração. 

2. PETIÇÕES 

Além disso, na oração mental é muito proveitoso, e talvez mais útil do que qualquer outro ato, repetir petições a Deus, pedindo, com humildade e confiança, Suas graças; isto é, Sua luz, resignação, perseverança e assim por diante; mas, acima de tudo, o dom do Seu santo amor. São Francisco de Sales dizia que obtendo o amor divino obtemos todas as graças; pois uma alma que verdadeiramente ama a Deus de todo o coração, por si mesma, sem ser admoestada por outros, se absterá de causar-Lhe o menor desagrado, e se esforçará para agradá-Lo da melhor maneira possível. 

Quando você se encontra na aridez e na escuridão, de forma que se sente, por assim dizer, incapaz de fazer boas ações, é suficiente dizer: 

“Meu Jesus, misericórdia. Senhor, pelo amor de Tua misericórdia, ajude-me.” 

E a meditação feita desta forma será para você talvez a mais útil e fecunda. 

O Venerável Paul Segneri costumava dizer que até estudar teologia, ele se ocupava durante o tempo da oração mental em fazer reflexões e afetos; mas “Deus” [estas são suas próprias palavras] “depois abriu meus olhos, e daí em diante me esforcei para me empenhar em petições; e se há algo bom em mim, eu o atribuo a este exercício de me recomendar a Deus”.

Você também faz o mesmo; peça a Deus Suas graças, em nome de Jesus Cristo, e você obterá tudo o que deseja. Esta é a promessa de nosso Salvador, e Sua promessa não pode falhar: “Amém, amém, eu te digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai em Meu nome, Ele vo-lo concederá”.

Em uma palavra, toda oração mental deve consistir em atos e petições. Portanto, a Venerável Irmã Maria Crucificada, enquanto em êxtase, declarou que a oração mental é a respiração da alma; pois, como pela respiração, o ar é primeiro atraído, e depois devolvido, então, por petições, a alma primeiro recebe a graça de Deus, e então, por bons atos de oblação e amor, ela se dá a ele. 

3. DELIBERAÇÕES 

Ao terminar a meditação, é necessário fazer uma resolução particular; como, por exemplo, para evitar algum defeito particular em que tenha caído com mais frequência, ou para praticar alguma virtude, como sofrer o aborrecimento que recebe de outra pessoa, obedecer mais exatamente a um determinado Superior, para realizar algum ato particular de mortificação.

Devemos repetir a mesma resolução várias vezes, até descobrirmos que nos livramos do defeito ou adquirimos a virtude. Depois, reduza à prática as resoluções que você fez, assim que uma ocasião for apresentada. Você também faria bem, antes da conclusão de sua oração, renovar os votos ou qualquer compromisso particular por voto ou outro que tenha feito com Deus.

Esta renovação agrada mais a Deus se multiplicarmos o mérito da boa obra e atrairmos sobre nós uma nova ajuda para perseverar e crescer na graça. 

III. A CONCLUSÃO 

A conclusão da meditação consiste em três atos: 

1. Ao agradecer a Deus pelas luzes recebidas. 

2. Em fazer um propósito para cumprir as resoluções feitas. 

3. Ao pedir ao Pai Eterno, por amor de Jesus e Maria, graça de ser fiel a Eles. 

Cuidado para nunca omitir, no final da meditação, recomendar a Deus as Almas do Purgatório e pobres pecadores. São João Crisóstomo diz que nada mostra mais claramente nosso amor por Jesus Cristo do que nosso zelo em recomendar nossos irmãos a ele. 

São Francisco de Sales observa que, ao deixar a oração mental, devemos levar conosco um ramalhete de flores, para cheirá-las durante o dia; isto é, devemos nos lembrar de um ou dois pontos nos quais sentimos uma devoção particular, a fim de despertar nosso fervor durante o dia. 

As ejaculações mais queridas de Deus são as de amor, de resignação e de oblação de nós mesmos. Procuremos não realizar nenhuma ação sem primeiro oferecê-la a Deus, e não permitir que no máximo um quarto de hora se passe, em quaisquer ocupações que possamos nos encontrar, sem elevar o coração ao Senhor por alguma boa ação.

Além disso, nas nossas horas de lazer, como quando estamos à espera de uma pessoa, ou quando caminhamos no jardim, ou estamos confinados à cama por doença, esforcemo-nos, o melhor que pudermos, por nos unir a Deus. Também é necessário, observando o silêncio, buscando a solidão tanto quanto possível e lembrando a presença de Deus, para preservar os sentimentos piedosos concebidos na meditação.  

Capítulo 7. Distrações e aridez 

1. DISTRAÇÕES

Se, depois de nos havermos bem preparado para a oração mental, como foi explicado no parágrafo anterior, um pensamento perturbador vier, não devemos ser perturbados, nem procurar bani-lo com um esforço violento; mas vamos removê-lo com calma e voltar para Deus. 

Lembremo-nos de que o diabo trabalha muito para nos perturbar no tempo da meditação, para nos fazer abandoná-la. Que aquele, então, que omite a oração mental por causa de distrações, seja persuadido de que dá prazer ao diabo. É impossível, diz Cassiano, que nossas mentes estejam livres de todas as distrações durante a oração. 

Portanto, nunca desistamos da meditação, por maiores que sejam as nossas distrações. São Francisco de Sales diz que se, na oração mental, nada mais fizéssemos do que banir continuamente as distrações e tentações, a meditação seria bem feita. Antes dele, Santo Tomás ensinou que as distrações involuntárias não tiram o fruto da oração mental. [2, 2. q. 83, a. 13]

Finalmente, quando percebermos que estamos deliberadamente distraídos, desistamos do defeito voluntário e banamos a distração, mas tenhamos cuidado para não interromper nossa meditação. 

2. ARIDIDADES

A maior dor das almas em meditação é encontrar-se às vezes sem um sentimento de devoção, cansados ​​disso e sem qualquer desejo sensível de amar a Deus; e com isso se junta o medo de estar na ira de Deus por seus pecados, por causa dos quais o Senhor os abandonou; e estando nesta escuridão sombria, eles não sabem como escapar dela, parecendo-lhes que todos os caminhos estão fechados para eles. 

Quando uma alma se entrega à vida espiritual, o Senhor está acostumado a amontoar consolações sobre ela, a fim de afastá-la dos prazeres do mundo, mas depois, quando a vê mais resolvida nos caminhos espirituais, Ele recua. mão, a fim de fazer prova de seu amor, e para ver se ela serve e ama a Deus sem recompensa, enquanto neste mundo, com alegrias espirituais.

Algumas pessoas tolas, vendo-se em estado de aridez, pensam que Deus pode tê-las abandonado; ou, ainda, que a vida espiritual não foi feita para eles; e assim deixam de orar e perdem tudo o que ganharam. 

Para ser uma alma de oração, o homem deve resistir com firmeza a todas as tentações de interromper a oração mental em tempos de aridez. Santa Teresa deixou-nos excelentes instruções sobre este ponto. Em um lugar, ela diz: “O diabo sabe que perdeu a alma que pratica perseverantemente a oração mental.” Em outro lugar, ela diz: “Tenho certeza de que o Senhor conduzirá ao porto da salvação a alma que persevera na oração mental, apesar de todos os pecados aos quais o diabo se opõe”.

Mais uma vez, ela diz: “Aquele que não para no caminho da oração mental chega ao fim de sua jornada, embora deva demorar um pouco.” Finalmente, ela conclui, dizendo: “Por aridez e tentações o Senhor prova Seus amantes, Embora a aridez deva durar para a vida, que a alma não desista da oração: chegará o tempo em que todos serão bem recompensados.” 

O Médico Angélico diz que a devoção consiste não em sentir, mas no desejo e na resolução de abraçar prontamente tudo o que Deus quer. Essa foi a oração que Jesus Cristo fez no Jardim das Oliveiras; estava cheio de aridez e tedioso, mas foi a oração mais devota e meritória que já foi oferecida neste mundo. Consistia nestas palavras: Meu Pai, não o que eu quero, mas o que Tu queres. 

Portanto, nunca desista da oração mental em tempos de aridez. Se for muito grande o tédio que o assalta, divida sua meditação em várias partes e dedique-se, na maior parte, a petições a Deus, embora pareça que ora sem confiança e sem frutos. Bastará dizer e repetir: “Meu Jesus, misericórdia. Senhor, tem misericórdia de nós.” Ore, e não duvide que Deus o ouvirá e concederá sua petição. 

Ao ir para a meditação, nunca proponha a si mesmo o seu próprio prazer e satisfação, mas apenas para agradar a Deus e aprender o que Ele deseja que você faça. E, para isso, ore sempre para que Deus lhe dê a conhecer a Sua vontade e lhe dê forças para cumpri-la. Tudo o que devemos buscar na oração mental é luz para conhecer e força para cumprir a vontade de Deus a nosso respeito.

Números de anjo comunicados com frequência:

Anjo Número 111 Anjo Número 222 Anjo Número 333 Anjo Número 444 Anjo Número 555 Anjo Número 666 Anjo Número 777 Anjo Número 888 Anjo Número 999

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
x