Pin It

Arcanjos: Quem são e qual a sua função?

Precisa de orientação e clareza no amor, relacionamento, carreira e muito mais? Clique aqui para obter uma leitura de numerologia personalizada

A Igreja Católica reconhece a existência de apenas  três Arcanjos, ou os três mencionados nas Escrituras: Miguel  (“Quem é como Deus?”), Gabriel (“Poder de Deus”) e Rafael (“Médico de Deus”).

Este esclarecimento é necessário, porque se poderia objetar que nos textos do passado foram mencionados outros arcanjos, igual ao número de seitas do Livro de Enoque: Uriel, Rafael, Raguel, Miguel, Sariel, Fanuel e Gabriel. O sistema de sete arcanjos é de fato uma antiga tradição de origem judaica.

A Igreja Católica, entretanto, considerou necessário interromper essas interpretações arbitrárias e fantasiosas de textos que não pertenciam às Sagradas Escrituras canônicas.

Na verdade, lembramos a você que todas as tradições individuais devem ser examinadas e verificadas de acordo com o que está declarado na  Sagrada Escritura Canônica , que é a única revelação verdadeira.

Portanto, no que diz respeito aos Arcanjos, foi estabelecido na Idade Média que a adoração e veneração de qualquer um dos outros arcanjos mencionados pela Bíblia além de Michele, Gabriele e Rafael era proibida.

Mesmo no passado, na Igreja primitiva, grandes esforços foram feitos para impedir que o culto aos anjos, que foi influenciado por práticas heterodoxas e tradições pagãs de mensageiros divinos, conduzisse a uma forma de idolatria.

Em 1992, o decreto Litteris Diei afirmava que “é proibido ensinar e usar noções sobre anjos e arcanjos, seus nomes pessoais e suas funções particulares, fora do que está diretamente refletido nas Sagradas Escrituras; conseqüentemente, toda forma de consagração aos anjos e quaisquer práticas que não sejam os costumes oficiais de adoração são proibidas. ”

Diante disso, quem e o que são os Arcanjos?

A existência de anjos é uma verdade da fé. A presença deles na Bíblia é um testemunho incontestável disso. Estes são seres incorpóreos, que são espirituais, perfeitos, criados por Deus na aurora dos tempos com o propósito de serem seus servos e mensageiros.

Contemplaram sempre e para sempre o rosto de Deus, estão prontos a correr para cumprir cada uma das suas ordens, como ouvintes atentos e executores da sua Palavra.

São, pois, espíritos que existem para Ele e nEle, mas que também estão próximos do homem, pela fidelidade entre a vontade do Altíssimo e as suas criaturas.

Os anjos, portanto, vivem na contemplação de Deus e atuam como Seus mensageiros.

E os Arcanjos?

Desde os tempos antigos, consideramos o fato de que as hostes angelicais são organizadas em uma espécie de  Corte Celestial , na qual os anjos têm diferentes classes e graças.

Os três Arcanjos ocupam os domínios mais elevados desta hierarquia angelical. Eles também têm tarefas semelhantes às dos anjos comuns, mas seus deveres são ainda maiores e mais importantes.

São eles a tarefa de contemplar a Deus, dia e noite, glorificando-O incessantemente, preservando e protegendo o Seu mistério. Seus próprios nomes sugerem seus papéis e sua natureza: todos terminam com “El”, que significa “Deus”.

A Sagrada Escritura, portanto, atribui uma missão particular a cada Arcanjo.

Miguel  é o guerreiro que luta contra Satanás e os seus emissários (Jo 9, Ap 12,7, cf. Zc 13,1-2), o defensor dos que amam a Deus (Dn 10,13,21), o protetor do povo da Deus (Dn. 12, 1).

Gabriel  é um dos espíritos mais próximos de Deus, diante do seu trono celestial (Lc 1,19), aquele que revelou a Daniel os segredos do plano de Deus (Dn 8,16; 9,21-22), anunciou a Zacarias o nascimento de João Batista (Lc 1,11-20) e a Maria o de Jesus (Lc 1,26-38).

Rafael  está diante do trono de Deus (Tb 12,15, veja Ap 8: 2), acompanhou e protege Tobias em sua perigosa jornada e curou seu pai da cegueira e sua futura noiva da influência do mal.

Em geral, portanto, a tarefa dos três Arcanjos, além da contemplação de Deus, é comunicar Sua Vontade ao homem de várias maneiras, ser uma inspiração para os seres humanos e os catalisadores da graça divina para eles.

Santo Michael

São Miguel aparece nas Sagradas Escrituras, em particular no Livro de Daniel, nas Cartas do Apóstolo São Judas Tadeu e no Apocalipse.

Seu nome deriva do hebraico Mi-ka-El, que significa “quem é como Deus? “No Apocalipse, onde se revelou a João, ele é descrito como um ser majestoso, investido da tarefa de examinar as almas destinadas ao Juízo Final.

A iconografia popular o representa como um guerreiro em armadura empunhando uma espada, ou com a intenção de matar um dragão que simboliza o Diabo, com uma lança.

Na verdade, este é o papel desempenhado por Miguel, o do lutador que luta contra os anjos rebeldes liderados por Lúcifer. Foi Michael quem liderou as hostes celestiais na guerra que levou à expulsão dos anjos rebeldes do Paraíso e, desde então, ele continuou a se levantar como defensor de Deus contra o Mal e seus enganos.

O palco desta nova batalha não é mais o céu, proibido a Satanás, mas as almas de nós, humanos, constantemente alvos da lisonja do Mal, e instigados a cada momento a se rebelar contra Deus.

O Diabo tenta convencer os homens de que Deus é um tirano, que limita sua liberdade e sua plena realização na criação. O Arcanjo Miguel é enviado do céu para proteger os homens e guiá-los,

Julgador de almas, portanto, e protetor, defensor da Igreja e do povo de Deus.

Não é por acaso que o Castelo de S. Ângelo, fortaleza onde o Papa se refugia em situações de perigo, é vigiado por sua estátua, e viajantes e peregrinos invocam seu nome e sua proteção contra os perigos da viagem.

Alguns estudos buscaram ver no arcanjo Miguel a influência de mitos antigos ligados à lendária figura de um deus-herói matador de monstros, como o deus babilônico Marduk, ou de deuses pagãos que atuavam como mediadores entre o céu e a terra , como o deus grego Hermes.

A mesma festa dedicada ao Arcanjo, a 29 de setembro, cai neste dia como um legado das celebrações do Equinócio de Outono, festa consagrada em Mitras, de uma divindade ligada ao Sol pelos persas e depois pelos romanos.

O seu culto, no seio da Igreja Católica, começou no Oriente, mas espalhou-se rapidamente pela Europa, sobretudo a partir do seu aparecimento no Gargano, na Apúlia, quando o Arcanjo apareceu em San Lorenzo Maiorano numa gruta que séculos depois se tornou uma peregrinação de papas, soberanos e futuros santos.

Perto da caverna erguia-se o Santuário da  Basílica, que ainda hoje continua sendo um dos mais importantes e magníficos locais de culto entre os dedicados ao Arcanjo Miguel.

Em 2013, o Papa Francisco consagrou o Estado da Cidade do Vaticano a São José e São Miguel Arcanjo, reconhecendo mais uma vez seu papel como defensor da Fé e da Igreja.

O Arcanjo Miguel, o ‘guerreiro celestial’, é o protetor dos espadachins e mestres das armas. Suas habilidades como julgador de almas também o tornaram o patrono de todos os negócios que envolvem o uso de avaliações, como comerciantes, farmacêuticos, chefs pasteleiros. Ele também é o padroeiro da Polícia.

São Gabriel

Até o arcanjo Gabriel, como Miguel e Rafael, tem um dia de festa – que é comemorado no dia 29 de setembro.

Seu nome deriva do hebraico e significa “Poder de Deus” ou “Deus é poderoso”.

Na tradição bíblica, ele era considerado um dos anjos mais próximos do trono de Deus, a ponto de ser referido como “a mão esquerda de Deus”.

Na Bíblia, ele também é apresentado como um anjo da morte, enquanto para os muçulmanos ele é um dos principais Mensageiros de Deus e o anjo que revelou o Alcorão a Muhammad.

Na tradição cristã, Gabriel é particularmente lembrado como mensageiro.

Ele revelou o futuro nascimento de João Batista a Zacarias, apareceu em sonho a José para fazê-lo desistir de repudiar Maria, porque a gravidez dela era obra do Espírito Santo e, naturalmente, porque ela era portadora de um milagre concepção e do nascimento de Jesus.

Nesse caso, mais do que em qualquer outro, ele se consagrou como mensageiro de Deus. Foi Gabriel quem apareceu a Maria e disse-lhe que Deus a havia escolhido como mãe para Seu único Filho. Sem imposição, sem obrigação.

Apenas um pedido, dirigido por um dos anjos mais poderosos a uma menina simples e humilde. O papel de Gabriel foi, portanto, fundamental. Ele traz a mensagem de Deus para nós, tornando-a compreensível para nós, ajudando-nos a ouvir com um coração puro e a aceitar a vontade do Todo-Poderoso.

Algumas interpretações buscaram vê-lo como o anjo que tocará a buzina anunciando o Dia do Juízo, segundo o Apocalipse de João.

Gabriel é considerado o protetor de quem trabalha na comunicação, carteiros, embaixadores, jornalistas e mensageiros.

A iconografia cristã o retrata como um jovem querubim alado, que muitas vezes carrega um lírio nas mãos, como um símbolo da Anunciação a Maria.

São Rafael

Rafael é o arcanjo cuja missão é trazer cura. Na verdade, seu nome deriva do hebraico e significa “Médico de Deus”.

Na Bíblia, ele está entre os anjos mais próximos do trono de Deus, que foi escolhido por Tobias para guiá-lo em sua jornada para receber os pagamentos deixados por seu pai. Durante a viagem, Raphael, em forma humana, encontrou uma noiva adequada para Tobias e devolveu a visão ao pai do menino.

Rafael era considerado o patrono do amor conjugal, dos jovens, noivos, cônjuges, farmacêuticos, educadores, viajantes e refugiados. Embora não seja mencionado no Alcorão, para os muçulmanos, ele é o anjo encarregado de soar a buzina que sinalizará o início do Dia do Juízo (de acordo com outras tradições, esta era a tarefa de Gabriel).

Freqüentemente retratado com uma jarra contendo medicamentos e peixes,  ele é o patrono de farmacêuticos, viajantes e refugiados.

Seu papel de curador, como “Médico de Deus” deve sempre ser interpretado como a  vontade de curar a alma, para aliviá-lo de seu sofrimento e torná-lo o melhor disposto a acolher Deus.

Ao restaurar a visão do pai de Tobias, Rafael abriu os olhos para a Verdade do Todo-Poderoso, assim como, ao expulsar os demônios que perseguiam a garota que lhe foi prometida, tornou possível o casamento e o amor deles. Por isso é considerado também protetor dos noivos e do amor conjugal.

Ambas são curas simbólicas e significativas, portanto. A força do Arcanjo Rafael cura a cegueira, assim como a fé e o amor que os padres nos mostram e nos comunicam todos os dias abre nossos olhos para Deus.

Igualmente, a intervenção divina, através do seu emissário, dissipa as nuvens entre os homens e as torna puros e aptos à união, em nome de um amor abençoado por Deus e pela Igreja.

Por meio de São Rafael, o poder de cura e purificação do amor de Deus desce sobre nós, tornando-nos mais dignos e mais próximos de Deus.

 

Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

x